Seguir por Email

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Alandroal Vai Ter Novo Posto da GNR

 

A Câmara Municipal de Alandroal vai assinar um protocolo com o Ministério da Administração Interna (MAI) para a construção de um novo posto da GNR na sede de concelho. O novo posto resultará da reconversão do antigo posto da Guarda Fiscal do Alandroal que durante muitos anos, e até há pouco tempo, funcionou como biblioteca municipal.

A GNR do Alandroal está há vários anos instalada provisoriamente numa vivenda particular adaptada, sem as condições que se exigem à prestação de um serviço de qualidade à população. O protocolo prevê que a obra seja financiada em 85% por fundos comunitários do QREN, em 10% pelo MAI e em 5% pela câmara municipal que disponibiliza o imóvel a reconverter.

 Para o presidente da câmara, João Grilo, esta é uma obra que permite cumprir três grandes objectivos: “Dotar a GNR de boas condições para o desempenho das suas funções, trazer a GNR para o coração da vila aumentando assim o sentimento de segurança da população e reconverter um edifício histórico que de outra forma continuaria a degradar-se, cumprindo assim uma prioridade deste executivo que é, sempre que possível, recuperar edifícios existentes em vez de construir novos de raiz”.
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

sábado, 15 de dezembro de 2012

BOAS FESTAS!




O MUDA deseja a todos um Feliz Natal e um Bom Ano de 2013.

“A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio”
(Martin Luther King)

No MUDA acreditamos que em 2013 vamos todos continuar a dar o nosso melhor para construir o concelho que queremos para os nossos filhos e netos, com os olhos postos num futuro melhor e a forte determinação para construir esse caminho de mudança que exige mais um passo firme a cada dia.

domingo, 9 de dezembro de 2012

ACIMA DE TUDO, ESCLARECER COM VERDADE



Discurso do Presidente na Inauguração do Lar da APIT - Terena




Exma. Sra. Directora do Centro Distrital da Segurança Social de Évora, Dra. Sónia Ferro,
Exmo. Sr. Presidente da Direcção da APIT, Sr. Poeiras,
Exmo. Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Terena – S. Pedro, Sr. Manuel Ramalho,
Senhores vereadores e demais autarcas,
Funcionários e utentes do lar,
Demais convidados,
Minha senhoras e meus senhores,

É hoje inaugurada oficialmente uma obra muito ambicionada por esta freguesia e para a qual, ao longo do tempo, muitas pessoas contribuíram.
Estão, portanto, de parabéns todos aqueles que deram o seu contributo para esta realização.
Está de parabéns a população que assim ganhou um equipamento que pode servir melhor os seus idosos.

A Câmara Municipal, que aqui represento, como é seu dever e obrigação pelas responsabilidades que detém na área social, foi sempre um parceiro deste projecto.
No meu mandato, dando cumprimento a um compromisso assumido pela câmara, foram transferidos para a APIT – durante o decorrer da obra – 130.802,58 €, correspondentes a cerca de 90% do apoio total previsto para fazer face à contrapartida nacional deste projecto financiado pelo programa PARES.
Também a fiscalização da obra foi da responsabilidade da autarquia. Primeiro através de uma empresa externa e no meu mandato com o recurso aos meios técnicos próprios do município.
Também no âmbito do programa PARES, transferimos, na mesma altura, cerca de 70.000 € para a obra de ampliação do Lar e Centro de Dia “Cantinho Amigo de Santiago Maior”, nesse caso, mais de um ano após a conclusão da obra.

A câmara tem neste momento compromissos semelhantes com outros projectos que venham a ser desenvolvidos no concelho pelas IPSS com o recurso a fundos comunitários.
Ou seja, a câmara municipal está directamente envolvida do ponto de vista financeiro no apoio a todos os projectos financiados.
Fazemo-lo porque sabemos que de outra forma muito dificilmente esses projectos se concretizariam e porque sabemos as dificuldades com que as nossas instituições se debatem.

Dificuldades que não são alheias à APIT. Dificuldades que todos conhecemos e para as quais somos solicitados a acudir ainda com mais recursos.

Permitam-me que vos explique porque é que apesar de sermos sensíveis a esses apelos, não podemos, no momento, fazer mais do que aquilo que já fazemos.

Vivemos um momento de emergência social sem paralelo na nossa memória colectiva recente. Sou hoje confrontado todos os dias com situações de carência ao nível das necessidades básicas de algumas pessoas do concelho que na minha memória só encontram paralelo nas histórias que os meus avós contavam de tempos muito antigos.

A câmara municipal, apesar das dificuldades próprias com que se debate, pelo papel que desempenha no nosso território, não podia ficar alheia a esta realidade e por isso  preparou um conjunto de programas e medidas específicas para  aumentar as respostas neste momento critico.
Foi criado um programa de “vales de compras” para bens de primeira necessidade, em parceria com o comércio local, que apoia neste momento 51 famílias com um custo anual próximo dos 15 mil euros.
Foi criado um programa de apoio ao arrendamento que neste momento chega a 15 famílias com um custo anual próximo dos 10 mil euros.
Apoiamos 863 idosos do concelho em 50% das suas despesas com medicação, num esforço que representa cerca de 100 mil euros anuais.
Criámos um programa de melhoria habitacionais  que já deu apoio a 4 munícipes desfavorecidos no valor de 10500 euros e que tem neste momento 10 novos processos em análise.
E ainda ajudamos directamente e neste momento mais de 60 famílias com a integração de membros desses agregados familiares através dos programas ocupacionais do subsídio de desemprego e do rendimento social de inserção.
Participamos nas despesas de manutenção da “oficina móvel” e da “eco-loja” criadas no âmbito dos CLDSs e que estão a ajudar muitos munícipes.
Reforçámos os apoios à natalidade, criámos apoios à fixação de jovens e famílias no concelho.
Tudo isto apenas na área social.
Como é fácil de perceber, não nos podem pedir mais neste momento porque desempenhamos um importante papel no atenuar dos efeitos negativos da crise neste concelho no limite das nossas capacidades.

Por outro lado, e no que à sustentabilidade das nossas instituições diz respeito, não acredito que seja atirando dinheiro para cima dos problemas que eles se resolvem.
As IPSS enfrentam hoje dificuldades que as obrigam a rever os seus modelos de funcionamento, sob pena de, não o fazendo, poderem ver posto em causa o seu futuro.
O tempo das “capelinhas” e do “orgulhosamente sós” já passou e hoje a união de esforços, a partilha de recursos e a definição de estratégias conjuntas afigura-se fundamental para ultrapassar as dificuldades.
Há algum tempo que venho desafiando as instituições do concelho a não apenas estreitarem estes níveis de colaboração mas também a ousarem trazer para o debate a própria possibilidade da fusão de instituições de modo a garantir a sustentabilidade e a cobertura de valências e respostas que o concelho precisa.
Hoje pode parecer uma ideia ousada. Pode levantar algumas dúvidas. Estou certo que num futuro próximo será uma questão de sobrevivência.
Naturalmente, para que isso aconteça é necessário que se ponham de parte os interesses locais, pessoais ou de circunstância e que o serviço social – o servir o outro para uma sociedade melhor – seja a prioridade de todos os que escolhem esta área de actuação.
Esta visão não se coaduna com projectos de promoção pessoal ou politica com as IPSS como palco.
Esta visão não se coaduna com pequenas “guerras” locais.
Esta visão exige solidariedade, espírito de sacrifício, entre-ajuda.
Esta visão exige um olhar para o concelho como um todo profundamente interligado.
Saberemos nós – autarcas, dirigentes associativos e demais agentes locais –
estar à altura das exigências dos tempos que vivemos?
A experiência da Rede Social dos últimos 3 anos diz-me que se deram grandes passos nesse sentido mas é possível e desejável ir muito mais longe.
As nossas populações não esperam outra coisa de todos nós.

Muito obrigado a todos.

domingo, 2 de dezembro de 2012

OPINIÃO


Direito à opinião
O que vão ler aqui neste comentário/opinião não vai além disso mesmo...
Dia 1 de Dezembro ao acordar dei uma volta pelos blogues da terra e tal não é o meu espanto quando  li e reli todo o comunicado da J.S.Alandroalense. 
Ora como todos os que "leram" e tentaram perceber o que se passou para tal comunicado sair para a rua, algo de grave se passou...??
No comunicado da JS informa-se a população que reuniram em assembleia e resolveram entregar os cartões de militantes do PS e daí a desvinculação à força politica que sempre defenderam. 
Até aqui tudo bem... quando surge um parágrafo em que se lê: 
"Face à instabilidade gerada por falsos autos noticiosos, vem clarificar que a saída de João Nabais do Partido Socialista se deve a razões estritamente de ordem pessoal, as quais só a ele dizem respeito.
Os falsos autos noticiosos na minha opinião talves sejam aqueles que os municípes veêm, dizem e sabem muito bem o que foi o governo Nabais no mandato anterior, ou então... estão tentar desmentir a mais que provável verdade sobre a noticía que a Rádio Campanário lançou no dia 29-11-2012, que se podia ler: "Alandroal: João Nabais sem apoio do PS". Noticia que informa a população que os vereadores eleitos pelo PS na Câmara Municipal do Alandroal deixaram de exercer o respectivo mandato autárquico como militantes do PS mas sim como independentes, por falta de confiança entre o partido e os vereadores.
Eu não consigo perceber a falta de confiança dos vereadores no partido, aliás eu até percebo porque basta olhar para o nosso país e ver o que as forças politicas nos fizeram, fazem e futuramente irão fazer durante anos. Mas nesta situação, na minha opinião, não é o caso!
Depois uma situacão muito caricata..." Esta posição tomada pelos presentes não nos leva a uma situação dos chamados “vira casacas” ".
Se não é uma situação de vira casaca é o quê???? Com franqueza! vão continuar a defender as causas mas contra as orientações estatutárias... É confuso e incoerente, se o PS se se candidatar às autárquicas o que irão estes senhores fazer, apoiar,ou virar a casaca, na minha opinião estão demasiado perdidos nesta novela.
Deixando ainda a leve sensação de que o movimento poderá ser apoiado pelo partido... "não sendo para já esta uma candidatura apoiada pelo Partido Socialista, estaremos em incumprimento face às regras estatutárias vigentes". Em incumprimento estão! A ver bem a probabilidade de serem apoiados pelo PS é que não...
Em conclusão... "Será um movimento com orientações socialistas, onde prevalecerão os valores da sociedade, valorizando uma esquerda democrática e moderna, assim como a verdadeira social-democracia europeia adequada às necessidades e interesses..." orientações estas que tem o resultado à vista de toda a europa e do mundo, a verdadeira decadência no seu auge, cada um rouba mais que o outro.   
Horas depois....
Quero esclarecer que este comentário foi enviado(identificado como sempre) para os blogues da terra mas se repararem não foi publicado em nenhum.
Neste momento acabo de ler o comunicado do Sr.Nabais e lá está mais do mesmo, com apenas dois destaques a sobressair à vista.
O Sr. Nabais acusa talvez o Ministério Público de calúnias e ataques sem escrúpulos, digo talvez o MP porque a Câmara Minicipal apenas o visa em um(não tenho a certeza)os outros 200 e tais processos(não tenho a certeza exacta) em que vai ser julgado são parte de um processo bem maior que cabe a acusação ao MP, e que acusa também de os terem habilmente gerido no tempo com o único objectivo de o assassinarem politicamente.
Ora, não fossem os tribunais trabalharem à velocidade a que trabalham! Toda esta situação já estaria resolvida! Nem tudo acontece/decorre  como nós queremos.
O outro destaque também caricato tem um facto adquirido.
Escreve que se desvinculou para proteger o partido, mas vai mesmo assim candidatar-se contra ele... Não entendo de maneira nenhuma, e não acredito que o PS tenha sido acusado ou esteja também infiltrado nestes processos judiciais.
Ah! e promete um projecto muito além do espectro politico socialista, o que não é dificil de fazer, basta governar para as pessoas e trabalhar para nós que é para isso que são eleitos.
Na minha opinião são dois comunicados muito incoerentes e perdidos na razão.
Não levem a mal esta minha opinião, afinal é um direito meu e esses ninguém me tira percentagem alguma...
ELSO BALIXA

MUDA INFORMA



Alandroal: João Nabais sem apoio do PS
Os vereadores eleitos pelo Partido Socialista, João Nabais e Zélia Santos, na Câmara Municipal de Alandroal, deixaram a partir de hoje, 28 de novembro, de representar esta força politica passando a exercer o respetivo mandato autárquico na qualidade de independentes.
Segundo fonte próxima da Rádio Campanário, a falta de confiança recíproca, levou a que os eleitos nas últimas autárquicas, passem a partir de hoje a exercer os seus mandatos de vereadores sem pelouros na autarquia alandroalense como independentes.
Recordamos que João Nabais, já esteve à frente dos destinos do Município de Alandroal pelo Partido Socialista dois mantados e que no passado mês de Setembro, em declarações à Rádio Campanário, demonstrou a intenção de voltar a ser candidato à autarquia, nas eleições autárquicas do próximo ano.
A Rádio Campanário, tentou contactar João Nabais e Bravo Nico, Presidente da Federação Distrital do PS, tendo sido impossível obter qualquer declaração.
(em atualização)
Fonte: Rádio Campanário, 28 de Novembro de 2012

terça-feira, 27 de novembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Alandroal: Condenação em Tribunal por Processos de 2001 Leva a Retenções de 20% das Transferências do Estado Durante 10 Meses
 
Numa câmara em dificuldades, as más notícias nunca param de chegar. A Câmara Municipal do Alandroal foi condenada a pagar à massa insolvente da empresa “Pavia – Pavimentos e Vias S. A.” cerca de 900 mil euros à razão de 88 mil euros por mês, com início a 15 de Novembro e durante os próximos 10 meses. Os pagamentos serão feitos, por ordem do tribunal, através da retenção de 20% das transferências que o Estado faz mensalmente para o município.
Em 2001, quando tomou posse o executivo PS liderado por João Nabais, estavam por pagar na câmara facturas da Pavia num total de cerca de 300 mil euros relativas a pavimentações e arruamentos realizados no concelho nos meses anteriores. Por opção de João Nabais, e apesar de as obras estarem inequivocamente contratadas, realizadas e facturadas, não foram pagas, nem foi feito qualquer acordo de pagamento com a empresa. Optou-se por levar os processos para tribunal.
 “É uma irresponsabilidade inqualificável”, acentua o actual presidente, João Grilo. “Não ter negociado o pagamento num processo em que o município não tinha qualquer hipótese de ganhar as acções. Se havia eventuais defeitos de construções deviam ser corrigidos no âmbito de um acordo como sempre se faz nestes casos. Esta opção custou ao município mais de meio milhão de euros de juros de mora pelos anos em que o processo se arrastou, a que acrescem ainda despesas com advogados ao longo de todo esse tempo. E para cúmulo, os alegados erros de construção, se existiam, lá ficaram por corrigir!”
“Onde estaria esta câmara se eu tivesse adoptado a mesma atitude em relação aos milhões de euros de dívidas aos construtores que encontrei nas mesmas circunstâncias?” Questiona o actual autarca. “Ou em relação a obras não contratadas mas já realizadas? Ou em relação a adiantamentos pagos a empreiteiros para obras que não chegaram a ser iniciadas?” Quando assumi funções não havia um cêntimo pago de obras tão diversas como a requalificação da Praça de República, do Complexo Desportivo de Alandroal, do Centro Escolar de Santiago Maior, do Loteamento da Tapada do Cochicho. Todas elas estão hoje concluídas e pagas quase na totalidade.
Para João Grilo esta é mais uma evidência do modo como as irresponsabilidades do passado vão continuar a penalizar o concelho por muito tempo. “As nossas receitas mensais não chegam aos 500 mil euros. Mais de 85% deste valor vai para vencimentos, despesas de funcionamento, e todos os compromissos que temos na educação, acção social, saúde, cultura, desporto, etc. Se juntarmos a isto tudo o que o município está a pagar em acordos de pagamento de dívidas antigas, juros de mora de dívidas ainda existentes concluímos que temos vivido num equilíbrio dificílimo, com condenações como a que agora nos chega, a situação torna-se insustentável.”
A título de exemplo, o município ainda deve 300 mil euros relativos a aluguer de tendas da Expo-Guadiana de 2009 e está a pagar mensalmente despesas realizadas com palcos, luz e som das Festas de Setembro do mesmo ano.
Recorde-se que, por iniciativa do presidente da câmara, a Assembleia Municipal de Alandroal declarou em Junho passado o “estado de desequilíbrio estrutural e de ruptura financeira”, mas o Plano de Reequilíbrio Financeiro elaborado, de acordo com a lei, pelo executivo MUDA em consequência desta decisão tem sido sucessivamente chumbado pelos vereadores do PS e da CDU.
Este plano previa a reestruturação total da dívida do município e o recurso  ao PAEL, linha de crédito de 1000 milhões de euros a uma taxa de juro de cerca de metade da praticada pela banca. Uma linha que o governo criou para que as autarquias em dificuldades pagassem dívidas antigas a fornecedores. Ao Alandroal estavam atribuídos 4 milhões de euros que assim se perderam.
 
João Grilo adianta que “mesmo sem PAEL, continua a ser fundamental aprovar um Plano de Reequilíbrio Financeiro do município sob pena de, se tal não acontecer, este entrar em absoluta rutura. Com isso perdem todos os munícipes e não ganha nenhuma força política”, pelo que diz acreditar que o bom senso vai prevalecer e o município vai sair deste impasse. “Esta dívida à Pavia está contemplada no plano e assim que este seja aprovado será possível interromper imediatamente as retenções em causa”.
 
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Município de Alandroal Associou-se ao Projecto “Re-Planta”

Com o objectivo de contribuir para a consciencialização dos munícipes do concelho, em relação aos benefícios de plantar os próprios alimentos, a Câmara Municipal de Alandroal associou-se ao projecto “Re-Planta”. Numa altura em que se comemora a Semana Europeia da Prevenção de Resíduos (entre 17 e 25 de Novembro), esta iniciativa adquire ainda maior importância.

Sob o lema "Reaprende, Recomeça e Redescobre a tua Horta" o projeto “Re-Planta!” é uma iniciativa inspiradora, desenvolvida em colaboração pela AMCAL, GESAMB e RESIALENTEJO com os municípios das suas áreas de abrangência, que pretende devolver aos cidadãos o prazer de cultivar os seus próprios alimentos, tornando fácil, simples e acessível a criação de hortas caseiras.

 A valorização dos resíduos orgânicos à escala doméstica, através da introdução de hábitos de compostagem junto da população, bem como a promoção de um estilo de vida mais saudável, equilibrado e enriquecedor, são os outros grandes objectivos desta iniciativa.

 A Câmara Municipal de Alandroal lança o desafio a toda a população para que adira a esta iniciativa e retire o melhor proveito do seu quintal ou da sua horta. Para mais informações ou esclarecimento de dúvida poderá deslocar-se ao Gabinete de Ambiente do Município, ou utilizar o telefone 268 440 040.    

Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Escola Popular do Alandroal Ultrapassou os 600 Alunos e Continua a Aumentar Oferta Formativa

 A iniciar o seu terceiro ano lectivo, o Pólo de Alandroal da Escola Popular Túlio Espanca tem neste momento mais de 630 alunos inscritos e já chegou a todas as localidades do concelho, com uma oferta formativa diversificada e dinâmica, onde se incluem as aulas de Inglês, Ginástica, História, Informática, Viola, Teatro, Yoga, Danças de Salão, e Instrumentos Tradicionais.  

Com sede na antiga Escola Primária do Alandroal e recorrendo, nas outras localidades do concelho, a espaços da autarquia ou cedidos por associações, esta é uma escola aberta a todas as idades e com inscrições totalmente gratuitas.

Com o objectivo de continuar a melhorar a sua oferta formativa, estão agora abertas inscrições para três novas actividades: Xadrez, Alquerque (“jogo das pedras”  que pode ser encontrado, por exemplo, na Fonte Monumental da Praça da República – “Fonte das Seis Bicas”) e ainda Agricultura Biológica. As inscrições podem ser feitas no Balcão Único de Alandroal ou de Santiago Maior.

Apesar da sua ligação à Universidade Sénior Túlio Espanca da Universidade de Évora, a Escola Popular de Alandroal é hoje um projecto com um percurso autónomo e objectivos próprios e, pela sua diversidade de oferta e implantação no território, um projecto único no país.
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Alandroal: Secretário de Estado da Agricultura Visitou Perímetro de Rega do Lucefécit

 A Associação de Beneficiários do Lucefécit recebeu, na tarde do dia 9, a visita do Secretário de Estado da Agricultura, José Diogo Albuquerque, momento em que procurou sensibilizar este governante para os problemas que existem neste momento no seu perímetro de rega.

Apesar de em anos normais passar pela barragem água suficiente para a encher seis vezes, a sua capacidade de armazenamento é limitada e não garante a água suficiente para dar resposta a todas as necessidades num ano de seca – como aconteceu esta ano – e tem vindo a acontecer ciclicamente.

A frequente falta de água condiciona o desenvolvimento das culturas e impede a expansão do perímetro de rega. Os agricultores desta associação têm vindo a bater-se por uma solução que passa pela ligação a Alqueva de modo a permitir a bombagem de água para o Lucefécit, em particular, em anos de seca. Esta solução permitiria aumentar a produtividade, assim como o próprio perímetro de rega em cerca de 500 hectares.

Os agricultores são acompanhados nesta pretensão pelo presidente do município, João Grilo, que acompanhou a visita e que salientou que temos agora a oportunidade de corrigir o “erro histórico” de não se ter incluído o Lucefécit na primeira fase das infraestruturas de apoio ao regadio de Alqueva.

O autarca salientou a boa colaboração que tem existido entre o município e esta associação que se traduz no desenvolvimento de projectos conjuntos, nomeadamente, numa parceria para electrificação de cerca de 30 explorações agrícolas do perímetro do Lucefécit.
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Alandroal: Dia Europeu do Enoturismo Assinalado Com Prova de Vinhos

Assinalar simbolicamente o Dia Europeu do Enoturismo e contribuir para a promoção dos territórios e das rotas dos vinhos de cada região. São os dois principais objectivos da Prova de Vinhos que a Câmara Municipal de Alandroal vai promover no próximo dia 11 de Novembro, em colaboração com a Associação Nacional de Municípios Portugueses do Vinho.

A PLC-Companhia de Vinhos do Alandroal (www.pontval.com) associou-se a esta iniciativa e vai colocar os seus afamados vinhos ao dispor de todos aqueles que queriam participar nesta degustação, que vai decorrer no Fórum Cultural de Alandroal, a partir das 16:00 horas. Para tornar esta experiência ainda mais rica, o Município de Alandroal vai proporcionar ainda uma pequena degustação de produtos regionais, como os queijos e os enchidos.

A Câmara Municipal de Alandroal entende que esta é uma importante forma de contribuir para a promoção e dignificação do vinho, um dos produtos de excelência que o concelho de Alandroal tem para oferecer. Por isso mesmo, convidamos toda a população a participar nesta iniciativa.    
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

domingo, 28 de outubro de 2012

ASSIM SE SACRIFICA UM CONCELHO À HIPOCRISIA DOS POLÍTICOS LOCAIS


Assembleia Municipal do Barreiro aprova adesão ao PAEL com votos de CDU e PS

Escrito a:08/10/2012 às 9:20
Comentários
Comentar
0
A Assembleia Municipal do Barreiro aprovou, por maioria, uma candidatura ao Programa de Apoio à Economia Local (PAEL), no valor de cerca de 11 milhões de euros. O vereador Carlos Moreira, na apresentação da proposta da autarquia, afirmou que estava em causa uma candidatura de cerca de 11 milhões de euros, a 14 anos, de modo a liquidar as dividas a fornecedores. Depois da discussão entre as diferentes bancadas, a proposta apresentada pela câmara foi aprovado já de madrugada por maioria, com os votos favoráveis da CDU e PS, abstenção do PSD e votos contra do BE. O presidente da Câmara, Car­los Humberto (PCP), lembrou que esta proposta de recurso à linha de crédito do Governo, já tinha sido aprovada pelo executivo municipal, com os votos favoráveis dos eleitos da CDU, PS e do vereador independente Santa Clara Gomes, e a abstenção do vereador do PSD.
ALÉM DO BARREIRO, OUTRAS CÂMARAS CDU APROVARAM O PAEL (EX. VENDAS NOVAS).
ENTÃO COMO SE EXPLICA QUE NO ALANDROAL A CDU VOTE CONTRA?
O PLANO ERA MAU PARA OS MUNÍCIPES DO ALANDROAL MAS JÁ É BOM PARA OS DO BARREIRO?
NO DISTRITO DE ÉVORA, TODAS AS CÂMARAS PS EM DIFICULDADES VIRAM OS SEUS PLANOS APROVADOS (ÉVORA, BORBA, MOURÃO E REGUENGOS DE MONSARAZ)
ENTÃO COMO SE EXPLICA QUE NO ALANDROAL O PS VOTE CONTRA?
QUER NUM QUER NOUTRO CASO, SÓ COM A MAIS PROFUNDA HIPOCRISIA POLÍTICA, FALTA DE RESPONSABILIDADE E PROFUNDO DESRESPEITO PELOS MUNICIPES, PELA CÂMARA E PELOS FUNCIONÁRIOS E PELO FUTURO DO CONCELHO.
OS 4 MILHÕES DO PAEL QUE ERAM PARA ESTA CÂMARA PAGAR DÍVIDAS AINDA DOS ANTERIORES MANDATOS VÃO AGORA PARA OUTRA CÂMARA QUALQUER GRAÇAS AOS VEREADORES DO PS E DA CDU.
SÃO RESPONSÁVEIS DIRECTOS POR ISSO E POR TODOS OS MILHARES E MILHARES DE EUROS QUE A CÂMARA VIER A PAGAR NOS PRÓXIMOS ANOS DE JUROS DE MORA, TAXAS DE JURO MAIS ELEVADAS, ETC.
FICAM ASSIM DESMASCARADOS OS SENHORES VEREADORES E OS PARTIDOS QUE REPRESENTAM LOCALMENTE.
NO MUDA ESPERAMOS QUE QUER UNS QUER OUTROS TENHAM DOS MUNÍCIPES A RESPOSTA QUE ESTA ATITUDE DESTRUTIVA E DE BOICOTE MERECE.


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Parceria com Entidade Regional de Turismo Permite Avançar Para Nova Marca Turística do Alandroal

 A Câmara Municipal de Alandroal está a criar uma marca turística forte para o concelho que possa dar suporte a todos os materiais promocionais e que ajude a atingir a projeção que o concelho merece. Esta marca será uma parte fundamental de uma estratégia de desenvolvimento turístico que passa também pela recuperação e dinamização do património histórico, pelo apoio à criação de unidades hoteleiras, pela melhoria da sinalização turística e pela criação de roteiros e percursos temáticos dentro do concelho.

O município tem estado a desenvolver trabalho em todas estas vertentes e estão agora reunidas as condições para trabalhar a marca turística do concelho. Os trabalhos iniciaram-se no passado dia 22 de Outubro, com a realização de uma reunião destinada a todos os agentes turísticos que teve como principal objectivo a recolha de contributos que possam tornar o trabalho final o mais completo e fiel possível.     

O investimento, de cerca de 100 mil euros é suportado, na totalidade, pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo com o recurso a verbas que o município teve que pagar relativas a dívidas à antiga “Região de Turismo de Évora”.

“O Plano de Saneamento Financeiro da autarquia incluía estas verbas que tinham forçosamente que ser pagas à ERT. Tratando-se a “Região de Turismo” de uma entidade extinta, é da mais elementar justiça que possam reverter em investimento no turismo do concelho”, refere João Grilo, presidente do Município de Alandroal que se mostra satisfeito com esta solução uma vez que “se não fosse desta forma, neste momento não haveria condições financeiras para avançar com este trabalho que considero da maior importância para o futuro turístico deste concelho”.
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Município de Alandroal Volta a Promover Sessão de Divulgação de Apoios ao Investimento - PRODER

 

Em mais um esforço para dinamizar a economia local e dar a conhecer aos empresários e investidores no concelho de Alandroal os apoios a que podem recorrer, a Câmara Municipal de Alandroal volta a promover uma sessão de divulgação das medidas de apoio prevista no PRODER.

O auditório do Edifício Sede do Município de Alandroal é o espaço escolhido para receber esta sessão, promovida em colaboração com as associações de desenvolvimento “Montes Claros” e “Monte”, que se realiza no próximo dia 22, pelas 17:30 horas.

 A criação e desenvolvimento de microempresas, a diversificação de actividades na exploração agrícola, a conservação e valorização do património ou rural, ou ainda o desenvolvimento de actividades turísticas e de lazer, serão alguns dos temas a abordar nesta sessão. Ao longo da sessão haverá ainda tempo para recordar os apoios que o município de Alandroal presta a todos aqueles que queiram investir no concelho e para esclarecer possíveis dúvidas por parte dos interessados. 

 Os beneficiários destas medidas de apoio podem ser pessoas singulares ou colectivas de direito privado, microempresas, autarquias locais, instituições particulares de solidariedade social (IPSS) ou instituições legalmente equiparadas, e organizações não-governamentais (ONG).



Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

NOTÍCIAS CMA


Fortaleza de Juromenha Recebe Iniciativa “Perto dos Cidadãos Para Um Crescimento Sustentável “

Chamar a atenção para o estado da Fortaleza de Juromenha através de um levantamento de imagens e vídeos, que possam contribuir para o relançamento da economia local e para a defesa do património ambiental e cultural da região. É o objectivo principal desta iniciativa da Representação da Comissão Europeia em Portugal, que conta com o apoio do Município de Alandroal.

A acção vai decorrer ao longo dos dias 20 e 21 de Outubro, com especial incidência no dia 21, em que estarão na Fortaleza de Juromenha cerca de 50 participantes voluntários, entre alunos e professores do IADE - Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing - e da Faculdade de Letras de Lisboa. Também os cidadãos são convidados a participar nesta iniciativa de defesa do património, na manhã do dia 21, Domingo.

A iniciativa tem início previsto para as 10:00 horas, no dia 21, e conta ainda com o apoio da Junta de Freguesia de Nossa Senhora da Loreto, Grupo de Amigos de Amigos de Juromenha e de empresários locais (Casas de Juromenha e Wadnature).
 
Fonte: Gabinete de Imprensa C.M.A.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

COMUNICADO MUDA!



CDU e Nabais Unidos para Cortar as Pernas à Acção do MUDA na Resolução dos Problemas do Concelho
Plano de Reestruturação da Dívida do Município Chumbado por Ambas as Forças sem Apresentação de Soluções Alternativas


O município de Alandroal enfrenta sérias dificuldades financeiras.
Em 2009, João Nabais deixou a câmara na falência com dívidas por todo o lado e a imagem do concelho destruída por esse motivo.
No final do seu segundo mandato fez um saneamento financeiro (empréstimo bancário) para pagar 9,65 milhões de euros da dívida de curto prazo em 12 anos.
Só a amortização desse empréstimo já custou 550 mil euros e vai ainda custar, já a partir de Março de 2013, 100 mil euros por mês, dinheiro que o município não tem.
Contabilisticamente ficaram fora deste saneamento mais de 5,5 milhões de euros de dívida de curto prazo imputável ao anterior mandato mas, na prática, estes valores são, necessariamente, superiores. A maioria deles encontravam-se escondidos, fora das contas. Sim, João Nabais tinha milhões de euros de dívida escondidos fora das contas!
Entre 2010 e o momento de hoje a gestão MUDA/CDU pagou, em média, um milhão de euros por ano de dívidas antigas.
Ao mesmo tempo, as receitas diminuem todos os dias (cortes nas transferências, impostos cobrados, taxas e licenças, etc.). Só neste ano essa redução é superior a 500 mil euros.
Apesar disso, os exercícios de 2010 e 2011 mostram que neste mandato se tem trabalhado sem aumentar o endividamento.
Por outro lado, face ao momento de emergência social, são cada dia mais os munícipes que batem à parta da câmara em busca de todo o tipo de ajuda.

O que fazer perante esta realidade?
Em Junho de 2012, por iniciativa do MUDA, na Assembleia Municipal foi aprovada sem votos contra (votos a favor do MUDA e da CDU e abstenção do PS), a declaração do Estado de Desequilíbrio e Ruptura Financeira do Município. Ou seja, todas as forças politicas reconheceram o estado de ruptura financeira do município!
Com base nesta decisão foi preparado um Plano de Reequilíbrio do Município que permitia, em articulação com o PAEL (Programa de Apoio à Economia Local) pagar toda a dívida de curto prazo e reestruturar toda a dívida do município a 20 anos.
Este é um plano que implica alguns compromissos, mas que representa a única via para que o município possa continuar a crescer sem ficar esmagado pelo peso da dívida!
É um plano que permite pagar no imediato a todos os fornecedores, juntas de freguesia e outras entidades tudo o que o município deve, marcando de vez um “ponto zero” na eliminação dos problemas financeiros herdados dos mandatos anteriores.
Um plano com a garantia de um conjunto de investimentos em equipamentos, em infra-estruturas para melhoria do abastecimento de água e do saneamento (algumas a necessitarem de intervenção urgente), dos caminhos municipais e vias de acesso, correspondente a mais de 6 milhões de euros de investimento até ao final do actual quadro comunitário.
Um plano em que, ao contrário do que se diz, os impostos (IMI e derrama) não aumentam além do nível que foi praticado no concelho durante a gestão Nabais!
Um plano em que as subidas progressivas (ao longo de 5 anos, conforme recomendação da entidade reguladora - ERSAR) nas tarifas de água e saneamento não iam ser sentidas pelas famílias nos primeiros 10 m3 de consumo (quase 70% dos consumidores) e que previa tarifas especiais para idosos, famílias numerosas, famílias carenciadas e colectividades.
Um plano que permitia continuar a aprofundar os apoios sociais e a proximidade aos Munícipes, como tem sido prioridade da autarquia. 
Face ao risco de uma intervenção do governo se no Alandroal não soubermos resolver os nossos problemas, aí sim, com grande perda de autonomia e com menor capacidade de negociação, este plano é um bom plano.

E o que fizeram CDU e Nabais? Chumbaram o plano.
Não apresentaram outras propostas, outros contributos, outras soluções. Porque não as têm, simplesmente são contra! E ser contra não resolve nada!
Não sabem como deve ser, mas sabem que não querem que seja assim.
E nós sabemos porquê! Porque assim o MUDA faz! Porque assim o MUDA resolve! Porque assim o MUDA responde!
Do Nabais já estávamos à espera que não nos quisesse ajudar a resolver os problemas que ele próprio criou e deixou para as gerações futuras. Faz parte da sua destrutiva forma de estar na política que já é bem conhecida de todos.
Mas da CDU esperava-se mais sentido de responsabilidade num momento tão delicado. Ao refugiar-se nas “orientações do partido”, demitiu-se de contribuir para a solução que as suas responsabilidades exigiam.
Como podem as pessoas deste concelho compreender que CDU e Nabais apareçam do mesmo lado neste processo?
Será que já vale tudo em política?
Será que quando se trata de tentar voltar ao poder se esquece tudo, incluindo o mais importante, que são os interesses dos munícipes?
Será que para impedir que o MUDA “mostre trabalho” estão dispostos a sacrificar o futuro do concelho?
Que exemplo é este e o que pode este concelho esperar destas pessoas?

Ou então, com esta atitude, Nabais e CDU “atiram de vez a toalha ao chão” e assumem que não estão na corrida para ganhar, estão apenas para atrapalhar, porque quem tem expectativas de ganhar eleições quer contribuir para resolver os grandes problemas da câmara que espera conquistar e não para os aumentar!

O MUDA veio incomodar  os “poderes estabelecidos” e parece que cada vez incomoda mais. Pois vão ter que viver com isso!
Sejam quais foram as dificuldades que nos criem, vamos continuar a fazer, a responder e a resolver!
Vamos continuar a lutar pelo concelho e pelas pessoas.
Connosco serão sempre as pessoas do concelho a mandar e os interesses do concelho estarão sempre em primeiro lugar.
No MUDA não manda ninguém de Évora nem de Lisboa!
No MUDA temos todos rosto e damos a cara pelas nossas acções e pelo futuro do concelho.
Em três anos de extremas dificuldades financeiras e a atravessar uma crise sem precedentes na nossa memória colectiva recente soubemos dar resposta, soubemos ganhar a confiança dos munícipes, mostrar a seriedade e a determinação que o momento exige e com isso melhorar a imagem e a credibilidade externa e a auto-estima interna do concelho que tão abaladas estavam.
É nesse caminho que vamos continuar. Quer estes “senhores dos partidos” queiram, quer não queiram a MUDAnça vai continuar.