Seguir por Email

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

BOAS FESTAS!!

O MUDA deseja Boas Festas a todos os seus apoiantes e que 2010 seja para todos um grande ano no caminho da MUDAnça!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Discurso de Tomada de Posse do Presidente da Câmara Municipal de Alandroal 02.11.2009



Estamos aqui hoje em resultado de um trabalho iniciado em Abril. Um trabalho de envolvimento, de reflexão e de debate ao longo do qual fomos ouvindo muitos alandroalenses em muitos locais do concelho.
Foi um trabalho metódico, contínuo e tendo como principais objectivos despertar consciências e discutir de forma séria o futuro do concelho.
As ideias e projectos que nasceram desta discussão formaram o programa eleitoral com que nos apresentámos às eleições de 11 de Outubro e que mereceu a confiança do eleitorado.
Aparecemos como uma alternativa plenamente enquadrada na lei e sempre com o máximo respeito por ela.
Falámos com transparência, simplicidade e rigor e fomos eleitos para dirigir os destinos do Alandroal nos próximos 4 anos.
Visto deste modo, poderia parecer que foi um processo fácil e livre de obstáculos. Não foi. Apenas o distanciamento que já impus a mim próprio para me concentrar no futuro e não no passado me permite falar assim.
Tenho plena consciência dos enormes desafios que temos pela frente.
Sei que parto para um mandato em que as expectativas são elevadas e as dificuldades são muitas.
Tenho consciência também de que nos últimos tempos o grau de exigência dos munícipes do Alandroal em relação aos seus políticos e aos papéis e posturas que assumem aumentou consideravelmente.
Ainda bem que assim foi. A exigência do munícipe deve ser o maior estímulo para o trabalho do autarca.
Os nossos munícipes exigem hoje que os seus políticos exerçam o poder com equidade e respeito pelos direitos e garantias individuais. Saibamos pois fugir do erro que o Professor Agostinho da Silva identificou como muito comum na democracia de hoje: o modo como esta se “inclinou para Maquiavel e pluralizou os seus príncipes, fazendo de cada cidadão com um pouco de poder nas mãos, um aspirante a opressor dos que declara seus iguais”.
Os alandroalenses exigem hoje e merecem que os seus políticos tenham em relação ao poder um desprendimento que lhes permita projectar o futuro do concelho sem pensar apenas a 4 anos e na sua reeleição mas que tenham a coragem de trabalhar num horizonte de 20 anos sem o qual é impossível desencadear mudanças profundas.
Exigem e merecem que se governe com verdade, transparência e participação. Que não se esconda a verdadeira situação financeira da autarquia ou que sejam chamados a pronunciarem-se sobre as grandes opções para o futuro do concelho.
Exigem e merecem dos seus governantes aquelas características que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aponta como fundamentais para que um político não perca a sua postura moral: a autenticidade – ser quem se diz que se é e demonstrá-lo em todas as acções – e a empatia – pormo-nos na pele das outras pessoas e ver as coisas do seu ponto de vista.
Mas acima de tudo, os habitantes deste concelho pedem-me na rua que, terminado o desgastante ciclo eleitoral por que acabámos de passar e que de certo modo dividiu as pessoas pelas suas opções, se restabeleça um clima de tranquilidade e estabilidade necessárias para que cada um retome as suas vidas e desenvolva o melhor trabalho possível em prol do concelho.
O Alandroal precisa deste clima de paz social, de respeito pelas liberdades individuais, de entreajuda e envolvimento da sociedade civil. Esse é o nosso maior desafio e tudo farei para que este clima seja restabelecido no concelho.
O concelho vive hoje num equilíbrio instável entre um mundo rural em dificuldades – mas que ainda lhe serve de sustentação económica – e uma certa modernidade expressa nos serviços e equipamentos disponíveis mas que por si só não desencadeiam a viragem necessária.
É um equilíbrio frágil, alimentado por dinheiros externos (sobretudo dos quadros comunitários, que em breve se vão acabar!) e que não conseguiu estancar os nossos maiores problemas, como o êxodo populacional ou o abrandamento económico.
O que vamos fazer para mudar este presente e preparar um outro futuro?O que queremos ser daqui a 20 anos?
O Alandroal insere-se hoje em pleno na lógica dos territórios de baixa densidade que a União Europeia muito bem caracteriza e para os quais está a desenvolver programas específicos. As nossas maiores fragilidades (êxodo populacional, população envelhecida, agricultura de subsistência, baixa qualificação dos recursos humanos, economia local de base frágil) são estruturais e resultam de décadas de falta de intervenção no território.
Mas associado a este quadro, há também um conjunto de características intrínsecas (usos e costumes milenares, altos níveis de preservação ambiental, agricultura tradicional e biológica, produtos locais de elevada qualidade) que representam excelentes oportunidades de desenvolvimento futuro.
Trata-se simplesmente de transformar as fraquezas em forças, recorrendo ao que é nosso, único e irrepetível em qualquer outro local. E nesta lógica o concelho tem potencialidades enormes que estão por explorar.
É errado pensar que basta criar as infra-estruturas para que as coisas aconteçam.
As nossas dinâmicas sociais estão demasiado fragilizadas para que tal seja possível. É preciso uma intervenção no território que estimule as dinâmicas sociais, que faça crescer o associativismo e a cooperação, que ajude cada um a encontrar caminhos de investimento, de sustentabilidade.
Uma câmara de um concelho como o nosso não se pode demitir desse papel. A câmara tem que ser cada vez mais o “fermento” que faz crescer e deixar de tentar ser a “massa” que tudo ocupa.
Nesta lógica, é possível atrair para o concelho investimentos no turismo, na agricultura, na agro-indústria ou nas energias alternativas que consolidem o desenvolvimento económico desejado sem beliscar os indicadores ambientais que se constituem como factores de atractividade.
Recusamos projectos turísticos megalómanos da mesma forma que não podemos continuar a viver atrás da expectativa de que alguém instale no Alandroal uma unidade que venha criar 400 ou 500 postos de trabalho e resolva todos os nossos problemas de uma só vez.
É preciso trabalhar muito para desenvolver apoios concretos ao empreendedorismo e à criação do próprio emprego, a investidores privados ou à criação de parcerias público-privadas que podem contribuir decisivamente para a criação de igual número de postos de trabalho no concelho, ao longo do tempo, e de forma sustentada.
Por exemplo, vamos dar rápido e consequente seguimento a projectos-âncora como o da Requalificação da Fortaleza de Juromenha, atrás do qual virão outros que irão diversificar a oferta e ajudar a criar um destino.
Ao mesmo tempo, temos que desenvolver uma estratégia de promoção do concelho e das suas potencialidades nos destinos certos, onde estão os potenciais investidores, começando pelo país, alargando o círculo a Espanha e logo a seguir ao contexto da União Europeia.
Por outro lado, o facto de termos um vasto território com povoamento disperso e baixa densidade populacional levanta outros problemas ao nível da redes de água e saneamento, de electrificação e de manutenção de caminhos que ainda é preciso resolver.
E em todo este espaço físico, dar respostas adequadas na educação, na saúde e na acção social é também um enorme desafio.
Assim, ao mesmo tempo que é prioritário o reequilíbrio financeiro do Município, devemos lançar as bases de um verdadeiro projecto de desenvolvimento sustentado do concelho.
Ao mesmo tempo que é preciso dar prioridade à captação de investimento com apoio concreto à fixação de empresas e programas especiais para jovens empresários, é preciso valorizar a base agrícola que caracteriza o concelho.
Ao mesmo tempo que devemos colocar os serviços da autarquia a funcionar para servir o munícipe devemos reforçar o apoio social aos idosos, crianças ou famílias em risco.
Ao mesmo tempo que daremos um acompanhamento especial aos investimentos no turismo numa perspectiva de sustentabilidade, apostaremos ainda na promoção dos produtos regionais, agro-industriais e do artesanato.
Vamos também criar condições para aproximar o cidadão da autarquia e levar a autarquia até ao cidadão, tornar participadas as decisões e estratégias a adoptar na governação do município.
Vamos ter um presidente e uma equipa disponível, presente e que dê resposta atempada aos problemas e solicitações dos munícipes e promover uma cidadania activa.
Na cultura daremos destaque ao reavivar de tradições e a uma política cultural descentralizada para o concelho e virada para o envolvimento da comunidade local nas actividades.
Daremos destaque a um verdadeiro trabalho em rede na Acção Social e a uma efectiva política de juventude.
Saibamos pois, todos nós – executivo, oposição, funcionários e munícipes – estar à altura das exigências que nos são colocadas e dos desafios que enfrentamos.
Porque à oposição se exige um papel fiscalizador, sem dúvida, mas também construtivo e responsável.
Porque sem a colaboração dos funcionários não conseguiremos cumprir o nosso papel ao serviço da população.
Porque sem o envolvimento dos munícipes todo o trabalho é inglório.
Tenho vindo a apelar à unidade do concelho.
Ultrapassado que está este ciclo eleitoral está na hora de trabalharmos todos juntos pelo nosso futuro comum. Pela nossa parte tudo faremos para que todos se sintam parte desta mudança.
Vamos mostrar que destas eleições não saíram vencedores nem vencidos. Mas apenas um único ganhador: o nosso concelho.

sábado, 31 de outubro de 2009

ALANDROAL: ELEITOS TOMAM POSSE

A cerimónia de posse dos eleitos para a Câmara Municipal de Alandroal está marcada para segunda-feira, dia 02 de Novembro (21h30). João Grilo é o novo presidente da autarquia, na sequência dos resultados eleitorais das autárquicas de 11 de Outubro. O MUDA, movimento independente, foi a força política mais votada, elegendo dois representantes. O PS elegeu dois vereadores e a CDU um. João Grilo, professor, foi no mandato que agora finda o número dois do executivo socialista liderado por João Nabais. Contudo, renunciou ao mandato na Câmara e deu a conhecer, em carta aberta dirigida aos munícipes, e que o NA publicou nas versões impressa e online, as suas divergências com Nabais.

Notícias Alentejo, 30.10.2009

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

MUDA CONVIDA


Na sequência da realização de eleições dos órgãos das Autarquias Locais, a 11 de Outubro, vai proceder-se à Instalação da Câmara Municipal de Alandroal e Assembleia Municipal de Alandroal, de acordo com o Artigo 44º da Lei 169/99 de 18 de Setembro, alterada pela Lei 5-A/2002 de 11 de Janeiro. A cerimónia de posse dos respectivos cargos está marcada para segunda-feira, dia 02 de Novembro de 2009, pelas 21h30, no Auditório Municipal do Edifício Sede do Município de Alandroal.Convidamos todos os interessados a estarem presentes nesta sessão pública.

MUDA NA COMUNICAÇÃO SOCIAL


PS: Concelhia de Alandroal quer expulsar do partido João Grilo
22-out-2009

A concelhia do PS de Alandroal pretende expulsar do partido o militante João Grilo, que conquistou a câmara local aos socialistas, nas últimas autárquicas, concorrendo por um movimento independente, disse o presidente da estrutura partidária. O presidente da Comissão Política Concelhia do PS de Alandroal, João Nabais, explicou que foi instaurado, ainda antes das eleições, um processo disciplinar a João Grilo e a outros quatro militantes que integraram o movimento independente.
“Trata-se de um procedimento normal dos estatutos do PS. Quando um militante vai contra o seu próprio partido é punido com a expulsão”, disse João Nabais, acrescentando que “compete aos órgãos distritais e nacionais do PS avaliarem e decidirem” o caso.
O líder da concelhia socialista de Alandroal e candidato do PS nas últimas eleições autárquicas perdeu a câmara local para o também socialista João Grilo que concorreu pelo Movimento Unidade e Desenvolvimento de Alandroal (MUDA). João Grilo foi o número dois na Câmara de Alandroal até Abril deste ano, tendo abandonado o executivo municipal por divergências com a linha política do presidente João Nabais.
O responsável pela Comissão Federativa de Jurisdição de Évora do PS, João Lázaro, confirmou a existência de um processo disciplinar aos militantes socialistas que integraram a lista do MUDA. “Trata-se de uma questão interna, suscitada pela concelhia de Alandroal do PS que está a ser avaliada no âmbito dos Estatutos do partido. Seguirá os procedimentos adequados e, numa escala de prioridades político-partidárias para a região, não nos parece ser urgente ou decisiva”, afirmou o mesmo responsável socialista. João Lázaro acrescentou que “a seu tempo e depois de concretizadas todas as instâncias necessárias, haverá lugar a uma proposta de tomada de decisão formulada pela Comissão Federativa de Jurisdição de Évora que será apresentada aos órgãos próprios do PS”.
Já João Grilo, que toma posse como presidente da Câmara de Alandroal no dia 02 de Novembro, afirmou que não pretende deixar o PS, alegando que a sua “matriz ideológica é socialista”. “A minha candidatura independente foi uma resposta ao candidato que o PS escolheu para este concelho e nunca contra o partido”, disse.

Diana FM

COMENTÁRIOS EM DESTAQUE

Dr. João Grilo,
Em primeiro lugar queremos felicita-lo pela enorme vitória conseguida por si e por todos os as pessoas que convictamente o acompanharam nesta luta. Destacando principalmente o Sr. Galhardas, que desde o início esteve a seu lado e corajosamente abdicou do seu lugar de vereador para lutar contra a falta de princípios morais e políticos do Sr. João Nabais, então presidente da autarquia.
Vemos na actualidade algumas pessoas referirem-se à política como sendo uma praxis humana onde, severamente, se conflituam interesses antagónicos que geram injustiças, desigualdades e instabilidade. Não querendo interpretar as coisas desta forma, entendemos, que a política ao tratar-se de um praxis humana, está constantemente sob risco de não ser praticada pelas pessoas certas e, foi o que, infelizmente, se verificou no Alandroal nos últimos 8 anos. Esta é a visão de alguém, que para além da experiência de cidadãos atentos apenas detêm alguns conhecimentos teóricos sobre o assunto.
Contrariamente ao que o Sr. Presidente do Alandroal fez durante os seus dois mandatos, os presidentes de câmara não devem ser políticos, mas sim pessoas atentas que se preocupem com a qualidade de vida de todos os munícipes e não apenas com o caprichos e sede de sucesso daqueles que lhe são mais próximos. Neste sentido, desejamos que desenvolva todas as suas acções, enquanto presidente de Câmara, com base no rigor, no profissionalismo e no respeito por todas as pessoas, representando todos e não apenas aqueles que deram a cara pelo nosso movimento. Se assim for, não duvidamos que aderirá a confiança de muitos, que ainda hoje, desconfiam do MUDA e das suas reais motivações. Este sentimento de desconfiança é, no entanto, perfeitamente compreensível se considerarmos que, nos últimos anos, o poder locar no Alandroal se assemelhou aos regimes totalitários do século XX.
Vamos utilizar o voto de confiança que os alandroalenses deram ao MUDA para demonstramos que, contrariamente ao que muitas pessoas diziam, não somos um grupo de pessoas imaturas, inexperientes e com sede de vingança. Somos sim um grupo, que norteando as suas acções pelos princípios da democracia, se interessa pelo desenvolvimento sustentado do Alandroal e pela promoção de maior qualidade de vida aos seus habitantes.
Confiantes de que não vai defraudar os que o acompanharam e votaram no MUDA, desejamos-lhe muita sorte para esta nova fase da sua vida e do rumo do Alandroal. Sabemos que está consciente das dificuldades e isso “é meio caminho andado” para o sucesso do seu primeiro mandato como Presidente da Câmara de Alandroal. Muitos Parabéns à equipa e muita sorte.
Com os melhores cumprimentos,
Artur Roma
Dulce Dias Gonçalves

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Alandroal: O que muda com o MUDA?


João Grilo

O sentido da Mudança escolhida pelos Munícipes do concelho de Alandroal no passado dia 11 de Outubro de 2009 é envolver, desenvolver e apoiar.
Envolver a população, aproximando o cidadão da autarquia.
O Alandroal vai ter um presidente presente e uma equipa disponível que dê resposta atempada aos problemas e solicitações dos munícipes.
O atendimento semanal ao munícipe, pelo presidente, vai passar a ser uma prioridade. No âmbito desta política de aproximação entre o munícipe e a Autarquia e de garantia de respeito pelos direitos do cidadão no seu relacionamento com a mesma vai ser criada a figura do Provedor do Munícipe que deve acolher e investigar as reclamações dos munícipes sobre o funcionamento dos serviços.


Respeito
O Alandroal vai passar a ter um clima de respeito pelas liberdades individuais e pelos princípios de uma cidadania activa. O Alandroal vai MUDAr no sentido de DESENVOLVER o concelho numa óptica de sustentabilidade, onde as dificuldades do passado e do presente (êxodo populacional, população envelhecida, agricultura de subsistência, baixa qualificação dos recursos humanos, economia local de base frágil) podem ser as oportunidades do futuro (usos e costumes milenares, altos níveis de preservação ambiental, agricultura tradicional e biológica, produtos locais de elevada qualidade).

Gestão
Vão ser aplicadas regras de boa gestão: nem um euro mal gasto, com tolerância zero aos desperdícios, Pagar a tempo e horas, com especial atenção aos fornecedores locais, Pagar a tempo e horas todos os compromissos assumidos pela câmara no âmbito dos regulamentos em vigor (bolsas de estudo, acção social escolar e as comparticipações associadas ao Cartão do Munícipe Idoso e Cartão do Jovem Munícipe). Vamos apostar na agricultura, começando pela elaboração de um Plano de Acção em estreita ligação com as Associações de Agricultores do concelho.


Investimento
O Alandroal vai MUDAr e para isso aposta nos recursos endógenos do concelho como forma de promover o seu desenvolvimento económico, como sejam, artesanato, turismo, ambiente, produtos tradicionais.
Vai ser criado o Gabinete Alandroal a Crescer para apoiar, aconselhar e acompanhar os projectos de investimento. Vai haver um Programa alargado de Medidas de Apoio à Instalação de Empresas no Concelho. Vai MUDAr a política de apoio ao Turismo como motor de desenvolvimento do concelho, implementando um Plano de Acção com a criação da marca "Alandroal, Terra de Endovélico" para promoção do turismo do concelho e produtos turísticos associados.


Turismo
Vai dar execução imediata aos projectos de investimento na área do turismo, com uma aposta clara no Turismo do imaginário associado ao culto do Endovélico, no Turismo de Aldeia e ao projecto de requalificação da fortaleza de Juromenha, no âmbito da parceria-público privada estabelecida.
O Alandroal vai APOIAR de uma forma adequada e consistente os seus munícipes, promovendo uma acção social concertada e uma educação verdadeiramente universal e gratuita numa escola inclusiva que pode ajudar a quebrar ciclos de exclusão que neste momento persistem em continuar. Vai assegurar a continuidade e a qualidade dos cuidados de saúde em todo o concelho.
A estratégia assumida passa pelo efectivo trabalho em rede onde todos os parceiros são estimulados a dar o seu melhor contributo para a resolução dos problemas e onde a câmara assuma o seu papel de coordenação e dinamização de um trabalho do qual resultem as sinergias necessárias para melhorar as condições básicas de vida dos idosos, das famílias carenciadas, das crianças em risco e da população em geral.
Notícias Alentejo
Quarta, 14 de Outubro de 2009 - 09:58

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

A Vitória de todos Nós


O percurso começou a ser delineado há apenas alguns meses atrás pelas pessoas que fundaram este Movimento. O caminho a percorrer foi surgindo de dia para dia, cada vez com mais certeza e vontade de acreditar que a meta, à qual todos se propuseram, seria dar um novo rumo ao nosso tão querido Concelho do Alandroal.

Sei que este movimento, ao longo destes meses, foi ganhando força e crescendo progressivamente, graças a todos os que nele sempre acreditaram e confiaram!

A estrada percorrida até ao objectivo final, sabemos, que não foi fácil…mas a força de todos fez sempre que assim o parecesse!

Juntos percorremos km’s, sempre com a mesma vontade e o mesmo destino! Vontade essa que, de dia para dia, se tornava maior, com o apoio e carinho das gentes deste concelho, que traziam nos rostos a mesma vontade que nós: simplesmente que MUDÁssemos…

Fizemos novas amizades e reatamos algumas antigas, algo “adormecidas” pelo tempo e pelas circunstâncias da vida.

Obtivemos uma vitória importantíssima, possibilidade na qual alguns de nós nem acreditavam, dado o curto espaço de tempo! Vitória esta que não pode, nem deve, servir para agora cruzarmos os braços! Deve servir, isso sim, para que daqui para a frente todos nos sintamos, ainda, mais responsáveis, na medida em que, o futuro deste concelho não é única e exclusivamente responsabilidade daqueles que elegemos para nos representar como órgãos máximos.

A democracia é, e sempre será, o poder do povo! Tal como precisamos que os eleitos à Câmara Municipal do Alandroal zelem por nós, também eles precisam, todos os dias, sem excepção, sentir que nós, também, estamos cá por eles e para eles.

O caminho foi longo e sinuoso mas a meta foi alcançada com esta Vitória, a vitória de todos nós!
A VITÓRIA DA MUDANÇA!


Este texto é-vos dedicado

João Grilo, Joaquim Galhardas, Dra. Fátima, Zé Carlos Correia, Gabriela, M. Isabel (Mãe), Arlindo, Luís Fontes, Amável, Sérgio Mira, Montalto, Amélia, Marco Alfaiate, Saraiva,
Néjão, Hélio (Pica), Carlos Alfaiate, Margarida Godinho, José Inácio, Hélder Salgado,
Elso Balixa, Hugo Rosado, Moisés, S. Mitra, Letícia, Jorge Cavaca, Carlos Bia, Sofia, Carla,
Vera,Ana, Filipe, João Fontes, Nuno Miguel Festas, Ana Cristina, Artur e Dulce,
Ricardo Cebola, Fernanda Romão, Códices, Arlindo, Maria Avelina, Elsa Lérias,
Ana Margarida Roma, Carlos Nunes, Carla Ramalho…e muitos mais.

p.s. - peço desculpa por não meter os nomes de todos, mas de alguns não recordo os nomes.



José Galvão

Alandroal 15 de Outubro de 2009

A FESTA DA MUDANÇA





MUDA VENCEU!!!

Autárquicas/Évora
Évora - Movimento independente criado há cinco meses "rouba" Alandroal ao PS
12 Outubro 2009

O Movimento Unidade e Desenvolvimento de Alandroal (MUDA) venceu hoje as eleições para aquele município do distrito de Évora com 39,59 por cento dos votos, apenas mais 0,16 por cento do que o PS.
"É uma vitória extraordinária para um movimento independente que surgiu há cinco meses. Derrotámos um presidente que tinha sido eleito com duas maiorias absolutas", disse hoje à Lusa o recém-eleito João Grilo.
João Grilo foi até Abril número dois PS na Câmara Municipal. O PS obteve 39,42 por cento dos votos, a CDU 16,42 por cento e o PSD 2,84.
Os mandatos da autarquia dividiram-se entre o MUDA (dois vereadores), o PS (dois vereadores) e a CDU (um vereador).
Diário de Notícias

MUDA VENCEU!!!


sexta-feira, 9 de outubro de 2009

"ALANDROAL VAI MUDAR!!"


Autárquicas

B
Só 30 Câmaras deverão mudar
B
Por Helena Pereira, Manuel A. Magalhães e Sofia Rainho
B

Há uma certeza que todos os partidos têm sobre as eleições autárquicas: o PSD vai ganhar em número de câmaras. Os sociais-democratas levam um avanço de 50 autarquias e, mesmo que sofram alguma erosão, será muito difícil serem ultrapassados pelo PS, avança a edição do SOL desta sexta-feira.
É com essa margem de conforto que a direcção do PSD parte para as eleições de domingo, tendo fixado como objectivo ter mais câmaras, mais juntas de freguesia, mais mandatos e maior número de votos do que os socialistas.
Detêm actualmente 158 câmaras (algumas delas em coligação com outros partidos), um cenário que até a direcção reconhece que não será fácil repetir.
No balanço final, o PSD admite a possibilidade de ficar, no máximo, com menos 12 câmaras. No que toca às capitais de distrito, porém, não contam perder nenhuma das que lideram e ainda apostam forte na conquista de Faro, com Macário Correia.
Também em Lisboa e Braga jogam ao ataque, mas a vitória não é considerada tão previsível. Certo é que mesmo que Santana Lopes não consiga ‘roubar’ a capital ao socialista António Costa – uma meta que os opositores internos de Ferreira Leite insistem em lhe impor, sublinhando que foi uma aposta pessoal da líder –, a presidente social-democrata não deixará de cantar vitória caso se confirme o cenário de ter mais câmaras e mais votos do que os socialistas.

B

Sol, 09.10.2009

CRÓNICA DO 6º DIA DE CAMPANHA















quinta-feira, 8 de outubro de 2009

COMUNICADO


O candidato João Nabais tem vindo a acusar sucessivamente o MUDA e os seus apoiantes de terem uma candidatura movida pelo ÓDIO e pela VINGANÇA.
Nunca conseguiu apresentar qualquer prova disso e a habitual conduta das pessoas que formam o Movimento, muito bem conhecida de todos, assim como o modo como a campanha do MUDA tem estado na rua, com uma forte mensagem positiva e de esperança num futuro melhor, são bem prova do contrário.
A verdade é que as provas de ÓDIO, VINGANÇA e PERSEGUIÇÃO se têm sucedido do lado do candidato João Nabais, enquanto Presidente de Câmara, desde que o MUDA apareceu.
Começou com os já muito falados casos de dispensa sumária do Técnico de Desporto Vitor Pires. A este seguiu-se o caso do Dr. Manuel João Rodrigues, retirado do seu serviço na Acção Social para o Ambiente e dias mais tarde para a Cultura onde não lhe está atribuída qualquer função, com a informação verbal do Sr. Presidente de que “isto é até às eleições porque depois vais mesmo para a rua”! Pouco depois, a Dra. Gabriela Coelho era transferida do seu serviço habitual no Gabinete de Planeamento e Desenvolvimento para desempenhar funções abaixo da sua categoria nos Serviços Administrativos da EBI de Alandroal, através de um despacho ilegal que já está a ser devidamente contestado nos tribunais.
Pecados destes funcionários: estarem directa ou indirectamente associados a uma candidatura independente que enfrenta o todo-poderoso Sr. Presidente. Sim, porque mais não fizeram. E se algo de grave tivessem feito, era obrigação do Presidente da Câmara apresentar provas disso e desencadear os respectivos processos disciplinares em vez de fazer acusações e julgamentos em praça pública.
Todos estes casos são graves, implicam atropelos à liberdade individual e ao direito ao trabalho e deviam envergonhar quem foi eleito para defender os valores da democracia.
A sede de vingança deste senhor vai até aos mais pequenos pormenores, e revela uma mente retorcida e obcecada com os detalhes. Por exemplo, o Sr. Rui Coelho viu há pouco tempo interrompido, sem qualquer explicação, o seu fornecimento de bolos para o bar da Câmara, mais ou menos no momento em que se tornaram públicas as listas do MUDA, das quais faz parte a sua filha.
E quando parece que o candidato Nabais já não pode levar mais longe a sua sede de vingança, eis que surge mais uma notícia: Carlos Bia, responsável pelo projecto “Chamar a Música”, recebeu ontem um ofício da câmara a anunciar a rescisão do contrato.
Este projecto, dos poucos, senão o único, a nível cultural que tem apresentado frutos (várias crianças do concelho estão hoje na Banda da Escola de Música graças a este trabalho feito nas aldeias) envolvia neste momento 35 crianças, algumas das quais tinham acabado de adquirir instrumentos novos para iniciar mais um ano de actividade.
Esta é mais uma reles e despudorada vingança do candidato João Nabais.
Uma vingança contra uma pessoa que nem sequer é um apoiante declarado do MUDA, uma vez que os seus deveres de militar a isso o obrigam. Mas é claro, toda a sua família apoia o MUDA e a sua mãe e irmã integram as listas.
Uma vingança que prejudica directamente 35 crianças do concelho, as suas expectativas e as expectativas dos seus pais.
Por último, destacamos os 5 processos de expulsão do partido levantados pela Concelhia do PS (ou seja, por João Nabais, porque ele é a concelhia e a concelhia é ele) aos cinco militantes que fazem parte das listas do MUDA: João Grilo, Joaquim Galhardas, António Rocha, José Caeiro e Manuel João Rodrigues. Alguém expulsou do partido Manuel Alegre ou Narciso de Miranda, actual cabeça-de-lista por um movimento independente à câmara de Matosinhos? Não. Só o ÓDIO e a VINGANÇA de João Nabais o justificam.
É com este estilo que o candidato João Nabais se apresenta para uma reeleição. A última a que pode concorrer.
Perguntamos: se até agora fez tudo isto, apesar de pretender ser reeleito, imaginem o que faria se voltasse a ganhar as eleições e estivesse livre de qualquer pressão para perseguir e torturar durante mais 4 anos?
Vamos dizer BASTA a quem usa o poder que o povo lhe dá para gerir a câmara como um DITADOR!
Vamos devolver a LIBERDADE ao povo do concelho de Alandroal.
Vamos votar MUDA!
O seu voto MUDA tudo!

Alandroal, 08.10.2009

CARTA AO CONCELHO

“Não há inocentes, há apenas diferentes graus de responsabilidade.” – Lisbeth Salander.

Sem ter pedido autorização à escritora, permito-me a, uma vez que considero que este pensamento extraordinário, que deu título a um livro da autora, passou a ser do domínio da humanidade, utilizar esta excepcional frase como título do que me apetece dizer, neste caso transcrever.
Resolvi, acerca de três meses, estar com o MuDA, em boa hora o fiz, digo-o hoje sem qualquer dúvida, que tomei uma das mais acertadas decisões da minha vida.
Foram amigos, uns mais próximos, outros menos, que me fizeram despertar para esta nova realidade, a eles agradeço. Foram aqueles os primeiros a guiarem-me no caminho que me conduziu a um conhecimento bem doloroso do meu Concelho. Penúria democrática, privação de imparcialidade, carência de ideias, indícios claros de imperialismo, megalomania de atitudes e de concretizações, inexistência de um plano global de desenvolvimento para o Concelho, total falta de percepção das principais carências da população do Município de Alandroal e a utilização prática do conceito “mentira” como que de uma verdade se tratasse.
Costumo dizer que nasci com o “rabiosque” virado para o sol. É verdade sim senhor. Felizmente para mim, nunca passei pelas privações, pelas dificuldades de vária ordem, quer antes, quer depois do 25 de Abril de 74, que muitos, de certeza a maior parte, dos Munícipes do nosso Concelho passaram, e infelizmente continuam a passar. Não tenho o mais pequeno problema de consciência, de dizer-vos que sempre assumi uma postura de partilha, desde pequeno, sempre reparti o que tinha com os que não tinham, não havendo, com toda a certeza, nenhuma pessoa que me possa acusar do contrário. Tomando como indicativo a média relativa à qualidade de vida dos meus conterrâneos, deve confessar que não vivo relativamente bem, vivo bem. O meu principal desejo é ver todos os habitantes deste Concelho a viverem tão bem, ou melhor do que eu. Para que tal possa ser real, será necessário que a Edilidade tenha uma gestão coerente com a proporcionalidade qualitativa e quantitativa da mesma. Não poderemos continuar a construir “PALÁCIOS” que outrora não foram construídos, não poderemos avançar com obras do tipo, Panteão de D. Duarte (as famosas Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha), que embora já passados 600 anos ainda não foram terminadas. Não somos um Concelho com poucos recursos, somos sim um Concelho com recursos desaproveitados. Os homens e as mulheres do meu Concelho são o seu principal recurso, são a melhor das coisas que este Município deu e há-de continuar a dar, mas que nos últimos anos tão mal têm sido tratados (as), muitas vezes preteridos (as), em favorecimento de mão-de-obra vinda de fora, sabe-se lá porquê! Melhor dizendo, todos sabemos porquê, “cunhas”, compadrios, favoritismos políticos, etc. …
Ermelinda Duarte escreveu e musicou, o que tanto se cantou neste quintal de Portugal, eu ainda não me esqueci, nem nunca me esquecerei, “Uma criança dizia, dizia, quando for grande não vou combater, como ela, somos livres, somos livres de dizer”. Nestes tempos que correm, se o Tarrafal, ou outra qualquer prisão, se começarem a encher novamente, é com todo o orgulho que me ofereço a ser o primeiro dos “hóspedes”, pisar o chão onde infelizmente viveram alguns dos HOMENS que nos proporcionaram ser hoje um país democrático, que hipotecaram as suas vidas a pensar num futuro melhor para o seu povo, é de certeza motivo de vaidade pessoal.
Devem estar a pensar, o que é que tudo isto tem a ver com o título!
Eu, tal como todos, somos responsáveis, o que me obrigou a defender esta causa, o MuDA, uma vez que considero este projecto, como o único que consegue congregar esforços, ideias, ideais, vontades e interesses, que tão necessários vão ser, para ultrapassarmos as grandes dificuldades que se avizinham.
É hora de dizer-mos basta, todos os Alandroalenses merecem deveres e direitos iguais, necessitamos de apoiarmo-nos, de envolvermo-nos, para promovermos o real desenvolvimento do nosso Concelho, assente em bases sólidas e verdadeiras.
Tem sido extraordinário ver este conjunto de pessoas, tão diferentes, mas tão iguais, partilharem as suas ideias e ideais, com uma enorme elevação. Era utopia, não era! Hoje é uma realidade.
Será bom não esquecer, que algumas pessoas que tiveram nas origens deste Movimento, eu não fui uma delas, tenho hoje muitíssima pena de não o ter sido, o meu grau de culpabilidade só aumenta em relação ao estado de degradação social e financeira do Concelho de Alandroal, continuam hoje a dar a cara e a defender a actual gestão, todas as ideias e criticas proferidas, bastante negativas, sobre o principal líder da mesma, pelos atrás citados, durante semanas e meses foram esquecidas. Resultado de quê?
É fácil responder, a este Movimento não pertencem, nem nunca poderão pertencer, pessoas que põem os interesses pessoais acima dos interesses de uma comunidade. Os lugares de candidatos deste Movimento, bem como os de apoiantes do mesmo, não se vendem, nem se compram, adquirem-se com base na transparência, perseverança, responsabilidade, trabalho e honestidade, conjugados com uma grande dose de amizade, companheirismo e camaradagem.
Estou aqui, e todos temos que aqui estar, pelos Alandroalenses, os homens e mulheres que fazem este Concelho estar vivo, não podemos nunca “colocar o carro á frente dos bois”, a pedra não é mais importante que o homem. Particularmente, sei que tenho mais ensinamentos a receber do que a dar, no entanto, disponho-me a fazer o que estiver ao meu alcance, no sentido de inverter o actual estado do Concelho que me viu nascer, e do qual sempre me orgulhei de pertencer. Em troca, não quero nada de especial, desejo simplesmente que sejam felizes, porque eu só o serei se vocês também o forem.
Um último conselho, se mo permitem, no próximo dia 11 de Outubro, dia das eleições autárquicas, revejam o passado, até porque concordando eu com a autora da primeira frase que escrevi, nenhum de nós é inocente, haverá, com toda a certeza, é alguns com muito mais responsabilidade no actual estado das coisas, votem livremente, deveria ser este o presente, nunca perdendo de vista, que a vossa escolha é importantíssima para o futuro dos vossos familiares mais idosos bem como para o dos vossos filhos e netos.

Sou Joaquim Saraiva Neves, nasci (também cresci) na Freguesia de S. Pedro – Terena, no dia 07/04/1964.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

CRÓNICA DO 5º DIA DE CAMPANHA







(Fotos de Alandroal José Galvão)


ROSÁRIO E ALANDROAL, 5 DE OUTUBRO DE 2009

Fiquei com muito boas recordações do Rosário quando fui treinador de futebol da equipa do Grupo Desportivo e Recreativo do Rosário. Sempre tratado com muito respeito e carinho por todos os que estavam ligados ao Grupo, dei aí os meus primeiros passos como treinador de futebol e aprendi muito com os amigos que fiz, no desporto e fora dele. Desta vez uma visita em campanha eleitoral pelo movimento independente "MUDA" veio confirmar o mesmo respeito e carinho com que fomos recebidos pelas gentes do Rosário, tendo como nossa anfitriã e a fazer as honras da casa, a Profª Vicência Almeida candidata pelo MUDA à lista da Junta de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição, pessoa de quem muito me honro ser amigo. A campanha está cada vez mais a ter o efeito de bola de neve, por onde vai passando mais pessoas se vão juntando e só já se fala que todos juntos vamos MUDAr e devolver a esperança aos habitantes do Concelho. O Rosário não foi excepção, muitas pessoas à nossa espera... Esperando um sinal de MUDAnça! Obrigado povo livre do Rosário, contamos com vocês no dia 11 de Outubro para a construção de um Concelho mais justo na igualdade de oportunidades!Partida para o Alandroal com almoço marcado para as Pirâmides do amigo José Moreira e familiares. Tudo muito ordeiro, bem servido e melhor cozinhado, realmente no Alandroal há muitos restaurantes em que o bem servir é apanágio de bem receber. Depois do almoço começou a caminhada pelas ruas da parte baixa da vila do Alandroal e a campanha foi acontecendo com muita naturalidade, as pessoas vinham ter com os candidatos e apoiantes do MUDA, outras vezes íamos nós ao encontro da população que se encontrava à porta de suas casas, enfim... Muita confraternização e espontaniedade por todos os intervenientes nesta caminhada até à vitória final do MUDA. Amigos do Alandroal, chegou a hora de unir esforços por uma causa que a todos diz respeito: O Alandroal merece mais e melhor e todos juntos vamos conseguir fazer a MUDAnça à muito esperada. O MUDA conta com vocês para MUDAr de vez!
Um Abraço para todos,
Carlos Galhardas (Cabé)

CRÓNICA DO 4º DIA DE CAMPANHA




MINA DO BUGALHO E ALDEIA DA VENDA, 4 DE OUTUBRO DE 2009

Grande sucesso a campanha na Mina e Venda. Na parte da manhã percorremos a freguesia de S.Brás dos Matos e foi muito reconfortante a simpatia com que as pessoas nos receberam, mostrando sempre um sorriso afável e muito bem dispostas para conversar com os candidatos e apoiantes do MUDA. A maioria das portas estavam abertas... Abertas para a MUDAnça que nos propomos fazer com todos os habitantes desta Aldeia que tão boas recordações me traz. Foi aí que há 35 anos participei pela primeira vez numa sessão de esclarecimento com dois presos políticos do antigo regime. Já me tinha comovido aquando da apresentação dos candidatos do MUDA, e na campanha pelas ruas fui encontrar a viúva de um desses presos políticos... Novamente pela minha cabeça passaram um turbilhão de pensamentos e mais do que nunca senti como era importante continuar esta caminhada pela liberdade. Muitas pessoas idosas desta linda terra foram alunas da D.Antónia, minha avó materna e lá fui ouvindo elogios da forma como ela ensinava e se preocupava com todas as pessoas da Aldeia. Obrigado Mina do Bugalho, dia 11 de Outubro poderá ser o dia em que a MUDAnça aconteça para que todos possamos ter uma vida melhor.Partimos para a Venda em caravana... muitas bandeiras do MUDA desfraldadas rasgavam os céus azuis como a cor da MUDAnça. Era a hora do almoço marcado para o Restaurante Tarro do amigo Miguel e familiares. Muito bem recebidos e muito bem temperados... Ali cozinha-se a preceito, serve-se com muita amabilidade os clientes e acabamos por nos sentir como se em casa estivéssemos. Finda a refeição começámos a percorrer as ruas da Aldeia da Venda com a mesma vontade e determinação com que temos percorrido todas as aldeias do Concelho. Estrondoso sucesso, com 5 amigos músicos de Reguengos que foram tocando acordes muito melodiosos. Uma banda sensacional que foi animando as ruas, as pessoas e todos os que ao MUDA se quiseram juntar nesta caminhada que já ninguém consegue parar. O MUDA já MUDou muita gente... Muito mais gente há-de MUDAr... Por uma nova forma de governar!
OBRIGADO ALDEIA DA VENDA ONDE TENHO MUITOS AMIGOS!
b
Carlos Galhardas (Cabé)

CRÓNICA DA 3º DIA DE CAMPANHA




ALANDROAL, 3 de OUTUBRO DE 2009
b
Juntam-se mais uma vez na sede do MUDA os candidatos e apoiantes para mais uma jornada de campanha. Já não há dúvida… O Movimento vai crescendo e com ele cresce a esperança que o MUDA há-de MUDAr no dia 11 de Outubro. Está uma manhã muito agradável no Alandroal e caminhamos pelas ruas da vila com vontade de falar com todas as pessoas. Hoje acompanham-nos cinco músicos que vão animando a compasso todos os que participam na campanha e a população vai confraternizando com candidatos e apoiantes. É uma enorme onda azul e branca das cores do MUDA que vai percorrendo as ruas da vila, falando com as pessoas, ouvindo os seus anseios e partilhando momentos de amena cavaqueira entre candidatos, apoiantes e população. O MUDA democraticamente vai construindo o seu caminho para o futuro… O futuro sustentado do Concelho do Alandroal assente em políticas de desenvolvimento credíveis, quer económica e financeiramente, assim como sócio e culturalmente, numa perspectiva em que possamos garantir aos futuros governantes da Câmara Municipal do Alandroal uma situação estável para poderem cumprir os mandatos que lhes são confiados pelo povo. Uma política de verdade e responsabilização será com toda a certeza o melhor caminho para o progresso e desenvolvimento da nossa terra, onde o rigor das contas públicas possa transmitir confiança e transparência a todos os cidadãos que se queiram envolver na construção de uma sociedade mais justa e fraterna.
O MUDA servirá a causa pública!
b
Carlos Galhardas (Cabé)

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

CRÓNICA DO 2º DIA DE CAMPANHA










ORVALHOS, MARMELOS E PIAS 2 DE OUTUBRO DE 2009
b
Na impossibilidade de fazer campanha neste segundo dia por questões de trabalho, só me juntei aos amigos do MUDA ao fim da tarde em Marmelos. Quando cheguei o ambiente era de muita animação e o grupo de apoiantes tinha crescido em comparação com o primeiro dia de campanha em Juromenha. Soube pelos amigos do MUDA que a passagem pelos Orvalhos tinha sido francamente positiva e que por parte de toda a população tinha havido muita receptividade para ouvir as propostas do MUDA . Nas ruas o Movimento continua a crescer, as pessoas vão aparecendo espontaneamente para falar com os nossos candidatos e apoiantes e sente-se que há efectivamente uma vontade de MUDAnça estampada no rostos destas gentes boas, que são as gentes do Concelho do Alandroal. Obrigado Orvalhos!! Obrigado Marmelos!! Obrigado Pias!!!... O MUDA MUDArá realmente para melhor a qualidade de vida das populações, não excluindo ninguém . No dia 11 de Outubro votando no nosso Movimento estarás a contribuir para um futuro melhor, mais justo e onde os valores da dignidade humana se sobrepõem aos interesses políticos ou partidários. Por todos aqueles que lutaram e continuam a lutar pela liberdade O MUDA estará sempre com vocês nessa luta, essa é uma certeza com que todos poderão contar !
Viva o MUDA! MOVIMENTO+UNIDADE=DESENVOLVIMENTO DO “CONCELHO” DO
ALANDROAL

b
Carlos Galhardas (Cabé)