Seguir por Email

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Disneyland Paris ou a Vida num Mundo de Fantasia


O país e o mundo atravessam uma crise profunda. O Alandroal, frágil na sua estrutura económica, sente de modo particular os efeitos dessa crise.
O desemprego aumenta – há famílias em que ambos os membros do casal estão desempregados. O emprego torna-se mais precário, o salário no final do mês não está garantido – há trabalhadores que esperam 3 ou 4 meses para receber parte dos seus ordenados. A procura de ajuda junto das instituições responsáveis pela acção social no concelho dispara.
Perante este cenário, que medidas toma a Autarquia através do seu Gabinete de Acção Social? A resposta é óbvia: organiza-se uma viagem à Disneyland Paris, com voos a partir de Lisboa, para todos os munícipes interessados.
Anunciavam-se “3 dias de entrada” mas com viagem de ida na tarde do primeiro dia e viagem de regresso na manhã do terceiro dia, tudo se resume a uma entrada no segundo dia. Incluídos, apenas os pequenos-almoços, as restantes refeições são despesa extra.
Inicialmente prevista apenas para “não pensionistas” e residentes no concelho, rapidamente se alargou a malha a todos os munícipes quando no final do prazo previsto para as inscrições (também ele alargado até ao dia da primeira viagem) as mesmas estavam muito aquém do esperado.
“O Município de Alandroal (todos nós!) suporta 50%”. Admitindo que se chegava às 300 inscrições, isto significa que o Município estava disposto a gastar nesta aventura entre 60.000 e 90.000 euros!
Significa também que para uma família de 4 pessoas, 2 adultos e duas crianças, seria necessário dispor de cerca de 800 euros (mais despesas com alimentação e outras) para poder participar nesta viagem.
Quantas famílias do nosso concelho o podem fazer? Os dinheiros públicos estão a ser gastos numa medida que se traduz numa profunda injustiça social. É uma medida de acção social que discrimina à partida os munícipes que podem participar pelo seu poder de compra. Quem não tem nada nem pode sonhar com a viagem! Quem tem alguns recursos já pode começar a fazer contas. As crianças de famílias mais desfavorecidas tiveram acesso a esta viagem? Claro que não!
Quem viajou até Paris, então? Tanto quanto sabemos, para cerca de 300 lugares previstos (reservados?), na primeira viagem seguiram cerca de 30 pessoas, a segunda foi cancelada por falta de participantes e na terceira participaram cerca de 40 pessoas. Algumas repetiram viagem.
Estes números não são exactos e podem a qualquer momento ser corrigidos pela Autarquia. Aliás, deixo aqui ao Sr. Presidente o desafio de tornar públicos não só os números como os nomes, idades e quantias pagas por todos os participantes. Estou apenas a sugerir o que devia ser uma prática comum, de transparência e rigor nas contas da autarquia.
Seria interessante sabermos quantos “munícipes completamente ao acaso” embarcaram para Paris além dos elementos das comitivas.
Agora pergunto: alguém que conheça minimamente a situação socioeconómica das famílias do concelho pode dizer que se surpreende com esta fraca participação?
No MUDA não somos contra viagens de jovens e idosos que tenham subjacentes objectivos de dinamização sociocultural e que tentem esbater as faltas de oportunidades resultantes das assimetrias sociais. Só não podemos admitir que sejam gastos desta maneira os dinheiros públicos que tanta falta fazem para dar resposta a problemas sérios – para fazer verdadeira acção social no concelho! – num momento de “vacas magras” em que é preciso fazer contas à vida.
Só quem vive alheado da realidade, obcecado por tirar da cartola, em período pré-eleitoral, medidas “mágicas” para garantir votos é que acredita no sucesso de iniciativas deste tipo.
Sr. Presidente, deixe o Castelo Cor-de-Rosa da Cinderela e venha viver para o Alandroal. E não queira fazer-nos crer que encontrou o tesouro dos Piratas das Caraíbas, porque não passa de fantasia!

João Grilo

12 comentários:

Luazul disse...

Tema muito complicado e polémico, este das viagens para os carenciados.

Não quero aborrecer ninguém neste blog com comentários longos(creiam-me que me alongava mesmo neste tema...), mas em vez disso, deixo uma pergunta e um exemplo do que se pode fazer para apoiar as famílias carenciadas:

1- Em que, ou como muda a vida do carenciado depois da viagem?

2- Nesta época de férias para alguns, outros pensam e preocupam-se em como vão conseguir pagar os livros dos filhos para o próximo ano lectivo, que está à porta.
Já alguém tratou de aliviar este peso às famílias?

Se há algum plano, gostaria de saber do mesmo!!!!

Anónimo disse...

Coelhos para tirar da cartola esgotaram-se e o tesouro dos Piratas das Caraíbas é um tiro pela colatra. Quanto ao Castelo Cor-de-Rosa da Cinderela... será que ele alguma vez foi Cor-de-Rosa?
Pelo que sabemos é mais um Castelo Cor-de-Negro, onde as pessoas que têm opiniões diferentes sofrem represálias nada próprias de uma Democracia com tinta e cinco anos de existência. A boa convivência democrática devia imperar, mas não impera... por isso todos devemos lutar para repôr o espírito democrático consagrado na Constituição da República.
Viva o Portugal de homens e mulheres livres!

Carlos Galhardas

Anónimo disse...

Isso acontece em todos os Concelhos do pais. Porque não se ha-de fazer no Alandroal? O sr grilo parece-me ter pouco conhecimento do trabalho das Camaras. Só uma pergunta, que não o conheço: quantos anos trabalhou na Camara? É que isso é pratica regular e dinheiro do GOP.

Anónimo disse...

Com esses 90.000,00 € pagavam muitas das dividas a fornecedores.

Que dinheiro mais mal gasto.

Era prioritário fazer estes passeios numa altura destas com a crise que o país atravessa?

Quem benefeciou com estas viagens?

Não seria de mais bom senso pegar nos jovens deste concelho com menos posses e levá-los a passear cá dentro do país?

Anónimo disse...

acontece em todas as câmaras?!!! Tenho trabalhado em muitos concelhos e ainda nunca vi um esbanjamento tão grande em viagens!! Em relação à eurodisney, não foi uma viagem dada... isso é só para atirar areia aos olhos das pessoas!!! O dinheiro que as pessoas pagaram deu bem para pagar na totalidade o fiasco da viagem... afinal só se entrou um dia na disneY´... e até tempo teve que se andar a fazer para não chegar muito cedo ao Alandroal!!!

Helder Salgado disse...

Assim, sim, assim se faz a mudança, indagando, desafiando.
Todos temos o direito a ser informados. João Grilo tem esse direito acrescido, por ser líder, do recém formado movimento de cidadania.
Ao Poder também está consignado o direito de informar, logo não deve renegar o desafio, mas aceitá-lo.
Responda. Mude também de atitude. Esclareça. Fico expectante.
Parabéns, João Grilo.
Esta é a mudança que subscrevo inteiramente. Que o senhor Presidente da Câmara aceite o desafio e, fique ciente, se assim proceder, terá também os meus parabéns.
Helder Salgado.
28-07-09

Anónimo disse...

90 000 euros às tantas davam para alcratoar a estrada que vai de Pardais a Juromenha e Alandroal:)

Anónimo disse...

Faltam aqui alguns comentarios que ainda não foram colocados. Ou será impressão minha?

Anónimo disse...

Se faltassem este não era colocado. Deves estar mesmo com alguma impressãozinha ou então gostas de brincar aos comentários faz de conta!

Zé Poveco

Anónimo disse...

Eu pensava que a viagem se destinava a quem reside no concelho o u aqui trabalha, mas pelo que ouvi dizer (repito: ouvi dizer) estavam lá pessoas que não trabalham nem residem no concelho. Será verdade?

Anónimo disse...

Uma pergunta, o dito que deu o tacho ao Grilo e ao Galhardas J.N.
o que é que ele fez de bom para este conselho desde que tomou posse?

Queria uma resposta se fosse possivel!

Anónimo disse...

Não sei responder o que ele fez de bom mas uma coisa sei, arranjou muitas inimizades entre as pessoas do concelho do Alandroal. Nos mandatos anteriores a João Nabais nunca se passaram situações tão prepotentes como as que se estão a passar com este senhor. Vão ficar feridas difíceis de sarar, não impossíveis, mas vai demorar o seu tempo. Porquê senhor presidente?

Zé Poveco