Seguir por Email

sábado, 6 de junho de 2009

COMENTÁRIOS EM DESTAQUE 2

Sinto que estou tão perto de reconquistar a liberdade que já me sinto livre.Esta reconquista implica a deslocação da actividade para milhares de quilómetros de distância deste concelho.
Um preço alto que comparado com o preço que os meus antepassados pagaram pela sua defesa no passado, a vida, não é nada.
O Alandroal é hoje um concelho pobre com uma gestão autárquica que o exibe com Mercedes á porta e roupas de marca, para esconder as prestações da habitação em atraso e o crédito corto na mercearia. Não tem estratégia de futuro. Ninguém dos que podem fazer alguma coisa por ele acredita no seu presidente.Quando o presidente manda centenas de convites aos agentes económicos para se debater uma estratégia de futuro e ninguém aparece, está tudo dito quanto á sua credibilidade.
Os mais ricos recursos de um concelho são os recursos humanos. Quando a sua gestão é feita ignorando estes recursos não há projecto que nos convença.Pode-se pedir mais um empréstimo para calcetar as ruas a prata e os passeios a ouro que o Alandroal, no conteúdo, ficará mais pobre.
Não sei como vão conseguir reparar os estragos já feitos se é que vão, mas parar de estragar já é um princípio.

Carlos Alberto Faustino Gomes
Alandroal

3 comentários:

Anónimo disse...

É com alguma tristeza que acompanho a tua partida meu caro. Mas a vida é feita de encontros e desencontros, tal qual um aeroporto com partidas e chegadas. É pena, realmente, que o nosso Alandroal seja apenas uma pista de lançamento e não um verdadeiro aeroporto. Infelizmente aqui só há partidas...

Anónimo disse...

Sorte e saúde.

De um amigo

Anónimo disse...

Infelizmente mais um homem de partida. E muitos mais irão partir, se a mudança não existir. Muitas familias separadas pela falta de oportunidades facultadas pelos nossos (i)responsaveis politicos. Acreditem que se continuarmos com este caminho, muitas lagrimas de saudade surgirão.