Seguir por Email

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

ENTREVISTA DE JOÃO GRILO AO AL-TEJO


Publicamos aqui as quatro questões já divulgadas e vamos continuar a acompanhar esta entrevista.


Durante estes três anos de mandato qual a situação que considera mais positiva em beneficio do Concelho?

Estes três anos foram, provavelmente, os mais difíceis para o Alandroal no pós-25 de Abril. A crise económica que se abateu sobre o país teve está a ter aqui os seus reflexos. Houve, com certeza, nos primeiros anos da democracia outros momentos difíceis, mas nunca o concelho esteve tão fragilizado do ponto de vista financeiro para os enfrentar, até porque o papel do município, assim como as expectativas dos munícipes eram completamente diferentes nessas alturas.
Foram três anos a lutar contra um endividamento de tal modo pesado que todos os dias limita as nossas possibilidades de actuação, três anos em que assistimos a sucessivas reduções nas transferências do Estado para a autarquia ao mesmo tempo que as nossas receitas directas de taxas e impostos diminuíam e éramos alvo de retenções e penhoras de créditos de valores astronómicos para a nossa realidade por dívidas do passado – o que ainda está a acontecer. E tudo isto num cenário de crise nacional e internacional em que as pessoas estão mais desprotegidas e ainda esperam mais da câmara municipal.
Algumas pessoas ainda não perceberem a real dimensão do problema e pensam que tudo não passa de uma guerra de números entre forças políticas. Mas a verdade não permite interpretações duplas.

Portanto, neste contexto, que era a combinação perfeita para que tudo corresse mal e nós não fossemos mais do que os “administradores da insolvência” de um município falido, conseguimos, com a nossa actuação e as nossas respostas, assegurar o normal funcionamento da instituição, aprofundar politicas educativas e culturais, melhorar respostas sociais, estar mais perto dos munícipes na sua relação com a câmara municipal, recuperar a confiança dos fornecedores locais e das associações do concelho. Ao mesmo tempo, conseguimos concluir e pagar obras que estavam paradas ou em andamento mas sem pagamentos efectuados e, portanto, condenadas a parar a curto prazo. Lançámos e estamos a lançar novas obras e ao longo deste tempo desenvolvemos um número considerável de novos projectos que apenas aguardam financiamento. Estamos longe de ultrapassar todas as dificuldades e os tempos vão continuar a ser difíceis mas começamos a ter “a casa arrumada” e a poder olhar para o futuro com mais confiança.
Por tudo isto, para mim, o mais positivo destes três anos é, apesar de todas as dificuldades, termos uma câmara a funcionar em pleno, a construir as bases sólidas para um futuro melhor, a recuperar a sua credibilidade, bom nome e confiança das pessoas do concelho, assim como credibilidade externa nas relações institucionais. E ainda considero mais positivo que seja um movimento independente a liderar este processo com a ajuda de muita gente, dentro e fora da câmara que coloca acima de tudo a sua dedicação ao concelho.

E a menos conseguida ou até a mais frustrante?

O menos conseguido é que, por força deste cenário de crise, algumas coisas – que não dependem de nós – tendem a acontecer mais lentamente do que gostaríamos o que é frustrante para quem tem urgência em fazer acontecer.
Tem havido limitações e atrasos na aprovação de financiamentos comunitários para alguns dos projectos que desenvolvemos e que consideramos prioritários, como por exemplo a  remodelação dos sistemas de água e saneamento em todo o concelho ou a requalificação do caminho municipal 1109 entre Rosário e Ferreira de Capelins, ambos prontos para avançar há quase 2 anos.
Por outro lado, a conjuntura económica tem sido um obstáculo ao avanço de projectos privados, sobretudo na área do turismo, que estão aprovados pela câmara, alguns até já têm financiamento comunitário mas que demoram a sair do papel pelo clima de incerteza com que os investidores se confrontam e que poderiam, muito rapidamente, contribuir para a criação de emprego e para ajudar o concelho a afirmar-se como destino turístico.

Por fim, embora tenhamos noção que, em termos gerais, as pessoas do concelho compreendem e apoiam as nossas prioridades e a nossa política, dentro da câmara – ao nível dos funcionários – a mensagem tem sido mais difícil de passar e assumo isso como um dos aspectos menos conseguidos. Por força do nosso esforço de reestruturação dos serviços e redução dos custos internos e de funcionamento, a que temos recorrido para manter os postos de trabalho e os vencimentos ao final do mês, pelas alterações legislativas que têm estado associadas a limites nas horas extraordinárias e ajudas de custos, a cortes nos salários e subsídios de férias e de natal, ao congelamento nas carreiras ou a regras mais rígidas nas comparticipações nas despesas de saúde. Num cenário de crise e de perda, generalizada, de poder de compra é, sem margem de dúvida, mais difícil aceitar estas mudanças. Contudo, e apesar de tudo, parece-me que as pessoas começam a perceber que só estamos a pensar no futuro de todos.


Das prioridades que escolheu para resolução imediata quais foram as concretizadas?

Desde logo o equilíbrio das contas do município. Quando assumimos funções a câmara vivia uma situação de absoluta emergência financeira com mais de 30 milhões de passivos totais exigíveis através dos compromissos assumidos. Desse valor, pelo menos 17 milhões de euros eram dívida de curto prazo que podia e estava a ser exigida a todo o momento pelos credores. Temos estado a fazer um percurso de eliminação de compromissos assumidos, pagamento de dívida e consolidação de passivo. Em cada um destes 4 anos de mandato, mais de um milhão de euros das nossas receitas que devia ser para investimento terá sido para pagar dívida. Ainda estamos a viver momentos difíceis, mas quando entrar em vigor o Plano de Reequilíbrio Financeiro aprovado em Dezembro a dívida de curto prazo não consolidada do município passará a zero, e os passivos totais serão pouco superiores aos 18 milhões de euros. É um problema que vai demorar 20 anos a ser resolvido, mas nestes 4 terão sido dados os passos necessários para que a câmara possa funcionar e pagar a dívida acumulada sem comprometer o desenvolvimento do concelho.

Por outro lado, quando assumimos funções, a câmara era uma estrutura pesada, dispersa, desorganizada e gastadora em todos os sentidos. A reorganização de serviços e da estrutura da câmara permitiu reduzir custos de funcionamento, melhorar as respostas e embora este seja um trabalho que nunca se pode considerar concluído, começamos a ver os frutos dessa estratégia.
Temos estado a introduzir mecanismos de poupança que só não avançam mais rapidamente porque exigem investimentos iniciais significativos, como é o caso da bomba de combustível própria que já está em funcionamento e que permite uma poupança de 10 cêntimos por litro de gasóleo.

Mas isto não significa que já tudo esteja bem. Este trabalho tem que continuar a ser desenvolvido. Tenho noção, por exemplo, que o serviço de águas continua a ser uma fonte de problemas na nossa relação com os munícipes. Estamos longe de estar satisfeitos com isto e vamos continuar a introduzir alterações até as coisas funcionarem a 100%. E ainda há muito trabalho a fazer, por exemplo, no estaleiro municipal, armazéns e arquivo.

E acima de tudo, a mais importante das prioridades, porque dela dependem todas as outras, é a definição de um rumo e uma estratégia de desenvolvimento para o concelho, o que não existia. Houve uma aposta para além de todos os limites do razoável nas “grandes obras”, dispersas, megalómanas, desequilibradas, para “encheram o olho” à população e o ego de algumas pessoas e que serviram mais as vaidades politicas que o desenvolvimento do concelho. Obras que se revelaram caras, desajustadas das necessidades da população e que tem elevados custos de manutenção que vão sempre ser um problema no futuro.

Nestes quatro anos invertemos essa tendência e definimos uma verdadeira estratégia de recuperação e reabilitação dos imóveis já existentes, como são exemplo, a antiga escola primária do Alandroal e o antigo posto da guarda fiscal do Alandroal que agora se destina ao novo quartel da GNR ou a escola primária de Terena, prestes a entrar em obra. E já temos em desenvolvimento projectos para a recuperação do antigo posto da guarda fiscal de Montejuntos e das capelas de S. António em Alandroal e Terena para desempenharem com dignidade as suas funções de capelas mortuárias.
Quanto ao património histórico, assumimos como prioritária uma estratégia de intervenção e de recuperação como factor decisivo para um desenvolvimento sustentado assente na economia cultural e no turismo. Estamos a intervir no castelo do Alandroal, vamos restaurar a “Fonte das Bicas” e recuperar a Capela da Boanova e estamos a desenvolver projectos para que o património do concelho tenha um plano de recuperação exequível e contínuo ao longo do tempo – algo que nunca aconteceu no passado! – e estamos a preparar uma estratégia de incentivo à ocupação e reabilitação dos centros históricos de Alandroal, Terena e Juromenha.

Destaco ainda a prioridade dada ao desenvolvimento económico. Criámos eventos de promoção do concelho e das suas actividades económicas que se estão a consolidar pela autenticidade, qualidade e sustentabilidade. A “Mostra Gastronómica do Peixe do Rio” e o Festival “Terras do Endovélico” estão a tornar o concelho conhecido pelo que tem de melhor. Ajudámos a criar a primeira associação empresarial do Alandroal, criámos um novo conjunto de incentivos à fixação de empresas e estamos a estabelecer laços de cooperação com outros municípios, de onde destaco a cooperação com Olivença que se vai traduzir na assinatura de um protocolo já no próximo dia 19 com a presença de empresários dos dois concelhos.
Estas prioridades, assim como outras em áreas tão diversas como a cultura, a acção social e a educação, a eficiência energética, as acessibilidades e a mobilidade sustentável estão hoje plasmadas num documento que contou com a participação de todos na sua elaboração (Agenda 21 Local) e que orienta o desenvolvimento estratégico do concelho para os próximos anos.

Politicamente optou por ser do PS e nessa força política foi militante. Depois face às situações sobejamente conhecidas e que o levaram à fundação do MUDA, qual é presentemente a sua orientação ideológica dominante?

Aquilo que somos em cada momento é o somatório da nossa história de vida, da nossa formação e dos nossos valores. Isso não muda por se estar num partido ou num movimento. O desempenho de funções autárquicas aumenta a nossa sensibilidade para algumas questões, alarga os nossos horizontes, mas a nossa essência mantém-se. Não preciso de fazer parte de um partido para me sentir em paz com os meus valores ideológicos e comigo mesmo. Sinto-me bem como independente e sei que sou respeitado por isso.
Não quero falar do passado, mas o tempo veio provar que estávamos certos nas posições que tomámos. Sabíamos quais seriam as consequências disso ao nível do partido e sempre convivemos bem com isso. Aliás, a cada dia que passa aumenta a nossa convicção de que não poderia ser de outra maneira e cada vez são mais as pessoas que compreendem isso.
Neste momento representamos com muito orgulho um movimento independente que mantém boas relações com todos os partidos e isso é o mais importante porque quem ganha é o Alandroal.

Sem comentários: