Seguir por Email

domingo, 23 de janeiro de 2011

ALMOÇO CONVÍVIO DO MUDA (2)

Natal em qualquer dia.

Vale mais tarde que nunca”. Este adágio aplica-se, sem reticências, ao almoço natalício do MUDA.

Não houve oportunidade na quadra mais adequada à solidariedade, à confraternização ou ao convívio familiar.

Movimento é antónimo de apático e o MUDA movimentando-se veio a realizar o seu almoço de Natal, no dia 16-01-2011.

A efeméride Natal, pelo que no passado representou e no presente continua a representar, não será disparate nenhum, ser considerada um epicentro de movimento.

E não serão os movimentos precursores de Liberdade?

Não congregou Jesus multidões sedentas liberdade e justiça?

Não revolucionou o Mundo?

Alcança-se do Blog “A MUDAnça é feita em cada dia pelo contributo de todos”.

Nessa tarde, em que o Sol, rompendo o denso e persistente nevoeiro de várias dias, pareceu quer associar-se ao acontecimento.

Foi tentado passar, sem ensaios nem convencionalismos, a ideia de MUDAr as três componentes que normalmente se compõem estes almoços, comida, discurso e palmas.

Pretendeu-se, com aquela tentativa, livrar-nos, por momentos das amarras da cadeira, do cheiro do vinho ou até da pressão que um desconhecido, sentado ao nosso lado ou á nossa frente, nos possa causar e, ao mesmo tempo criar-se oportunidades para o aparecimento de novos valores nas diversas áreas da arte. Essa foi a intenção.

João Maria foi por duas vezes interrompido, quando discursava, com entrega de dois postais ilustrados.

Não terá sido uma manifestação de arte?

Porque não havemos de seguir o exemplo?

Pessoas houve que cantaram, que falaram em ensaios, em acordeão. Ao meu fax chegaram versos. A ideia desabrochou.

Dar-lhe-emos continuidade?

O mais importante e para que haja o já falado contributo de todos é soltarmo-nos de nós. Deitar cá para fora o que pensamos, a nossa ideia sem receios de espécie alguma.

Acabar de vez com aquela palavra condicionante que nos inibe de falarmos na altura própria, composta apenas por duas letras “S e E”, e nos deixa a falar sozinhos, “se fosse hoje....se fosse agora.....se soubesse o que sei hoje”. Um hoje que foi ontem, que já não volta e, que nos pode conduzir ao remorso ou ao arrependimento, chorando as oportunidades perdidas.

Acreditem que o pensamento é a maior riqueza do ser humano, a nossa maior propriedade. Vamos usá-lo.

Para que o Concelho continue a caminhar na estrada da credibilidade, da justiça e da liberdade a MUDAnça deverá operar-se em todas as áreas.

E como este ano choveu muito, vamos “meter as botas á ribeira”, vamos todos ser os arautos da MUDAnça.

Bem hajam.

Hélder Salgado.

24-01-2011

1 comentário:

Anónimo disse...

muito bonito...
parabens ao senhor Helder Salgado.

Antonio Troco